Rape play

rape-playRape play é uma prática de estupro consentido

Há alguns anos eu me interesso por práticas e comportamentos que são um tanto difíceis de se entender à primeira vista. O estupro consensual é uma dessas… E já a pratiquei algumas vezes, por eu gostar de blind date, o rape play acaba trazendo elementos muito parecidos e anda em paralelo com a prática.

É preciso antes de tudo deixar claro que é uma prática CONSENSUAL, não é um estupro real, nada é feito contra a vontade das partes envolvidas.

Eu sempre tenho conteúdo guardado para publicar, poemas, fotos, filmes, vídeos, artigos, mas minha falta de tempo acaba adiando isso. Há alguns anos eu li um post no Orkut, exatamente sobre o rape play, que com uma visão de leigo, explica superficialmente, mas pode servir para abrir uma discussão calorosa a respeito do tema.

Segue na íntegra:

>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>

Por: Isy Sousa (10 de novembro de 2014)

Você sabe o que é Estupro Consensual?

Que Estupro é hediondo eu NÃO TENHO A MENOR DÚVIDA, mas também sei que muitas mulheres têm essa fantasia, que nesse caso é o “estupro consensual”.

Tem uma comunidade no orkut onde alguns participantes dão a sua opinião do que vem a ser essa prática: “Pelo que entendemos é um falso estupro, combinado entre as partes, e desempenharem seus papeis como se fosse verdadeiro”. “É O Faz DE CONTA DE UM ESTUPRO SÓ QUE COM PERMISSÃO”.

Na minha opinião é mais uma das fantasias que envolvem o sexo e embora muita gente não entenda…Bom, eu também não entendo ainda muitas coisas e nem por isso elas deixam de existir…E de serem reais.

Se o estupro é uma violência traumatizante pra uma mulher, porque o estupro consensual dá prazer? Porque o cérebro sabe que é UMA FANTASIA, uma situação simulada que não tem comparação com a violência que ocorre quando uma mulher é pega a força, sem desejar o ato.

No estupro o não É NÃO, na fantasia o NÃO é apenas uma fala do roteiro que aquela fantasia necessita pra se desenvolver e que não tem relação com o que MUITOS estupradores alegam quando dizem que quando uma mulher diz não, está querendo dizer…

Eu estava falando com um amigo dia desses e conversávamos sobre isso. No dia seguinte ele me mandou um texto simulando uma situação assim…

O texto contem algumas abreviações, mas achei melhor deixar assim, como me foi mandado…Deu uma narrativa mais “real” (além de que isso aqui não é aula de português, claro…rs)

MAS não esqueça que não estamos falando de “estupro” como crime e sim de uma FANTASIA adulta realizada por dois adultos de livre e espontânea vontade.

Uma fantasia que você tem todo direito de não curtir… De não se excitar.

No início do texto ele me contou que é meu namorado e que estou voltando tarde da noite pra casa de ônibus… Ele está me esperando no ponto de ônibus… Começo a andar em direção a casa…O lugar está deserto então ele chega por trás de mim…

>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>

Creio que o restante da cena, vocês possam completar… Inclusive, se alguém quiser enviar uma continuidade, posso publicar aqui com prazer.

Eu diria que a prática está mais ligada a SM, e que a pressão psicológica pode ser elevada, se uma cena for bem feita. Os riscos são os comuns das práticas SM e as possibilidades de cenas são infinitas.

Um exemplo bom do que pode ser feito está num vídeo que postei há algum tempo neste link sobre BDSM na fazenda. (conteúdo para assinantes)

Que tal debatermos sobre isso? Alguém quer falar sobre suas experiências com rape play, ou mesmo vontades? Pode dar sua opinião contrária ou a favor, elas serão publicadas, desde que haja respeito.

6 Comments

  1. Yanka says:

    Ja pratiquei e foi muito bom. Me senti realizada e completamente preenchida pelo 3 homens que me usaram.

  2. Otavio says:

    Eu pratiquei o Rapeplay. Estava entrando mais a fundo no BDSM, e combinei com uma Dominatriz uma Rape com total privação de sentidos. Não tinha nenhum movimento nem como falar. Fiquei totalmente a mercê dela. O grau de erotismo bem como a adrenalina, foram extremamente altos!

  3. Kelvin says:

    Olá, navegando sobre esse tipo de fetiche encontrei esse blog. Apesar de não ser adepto da prática BDSM eu até gostei do blog. Enfim, direto ao assunto, percebi que minha namorada gosta (e muito) de rape play, porém ela já sofreu abuso e isso é algo bastante delicado pra mim, mas não é esse o ponto. Não sou dominador e nem tenho interesse em me tornar por prazer próprio, mas queria saber como me preparar psicologicamente para fazer o meu papel pra agradar minha namorada pois é extremamente desconfortável imaginar que eu posso agir de modo que remeta ao abuso que ela já sofreu… Ou seja, quero “estupra-la” sem me sentir um estuprador de verdade. Se puder me dar alguma ajuda ou dica agradeço.

    • DOM Draconiano says:

      Recebi seu contato sobre o rape play, e vou tentar lhe fornecer alguma informação adicional a respeito.

      Primeiro, acredito que seja melhor saber porque você percebeu que ela curte rape, pois pessoas traumatizadas com abusos em geral não curtem a prática. Isso arrisca a segurança psicológica dela, consequentemente sua saúde. As práticas de rape em geral são simulações do que pode acontecer mesmo numa situação real… E podem ser mais fortes e intensas, ou não… O ideal é que se inicie com algo mais leve e gradualmente você aumenta a intensidade. Pode fazer isso em novas interações, não na mesma ocasião.

      E acho que a preocupação deve ser com ela, não contigo. Você diz que não quer se sentir um estuprador de verdade, mas isso não vai lhe abalar… E se você se sentir, mas tudo estiver sob controle, não há problema algum com isso, pois você sabe que é um play. Então atenha-se mais à sensações dela, não às suas. Uma ideia interessante seria fazer o rape sem que ela soubesse que é você, ao menos no início, e durante o play ela irá lhe identificar. Este seria o melhor cenário para conseguir fazê-la sentir-se num rape, mas é importante que você converse com ela sobre o assunto antes, e tenha certeza de que ela curte mesmo a prática, não pode achar, precisa se assegurar.

      Tenha cautela, e não faça algo se houver dúvida sobre a segurança dos dois.

  4. Amelia says:

    Já pratiquei Rape Play há algum tempo atrás.
    Antes de conhecer meu parceiro atual. E antes que eu concordasse eu fiquei com receio, mas então conversei com meu dom da época e afirmamos a confiança um no outro. Na minha opinião confiança é a base para uma boa relação. E praticar o Rape Play requer vontade(não curiosidade) e confiança. E não tenho más recordações.
    Seus posts continuam ótimos, vários iniciantes no mundo bdsm ainda desconhecem e temem alguns assuntos e eles ajudam bastante.

    • DOM Draconiano says:

      Oi Amelia, obrigado pelo comentário, é importante que outras pessoas se manifestem sobre essas práticas que são tabu para muita gente. Você levantou bem a questão da confiança. Ela é fundamental.
      Que bom que os posts ajudam! ;)

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *