Pode um dominador se envolver com uma submissa?

Eu não conheço outra forma de viver uma relação, ao menos aquelas em que se espera profundidade, reciprocidade, intensidade, plenitude…
Sou daqueles que considera uma relação BDSM, uma relação normal, como deve ser… E relações normais, a não ser que sejam passageiras ou promíscuas (e nada contra esse segundo caso, mas estão fora de minha preferência), são exatamente o tipo de relacionamento onde se espera comprometimento, entrega, confiança e ENVOLVIMENTO, isso mesmo… Pode ser profundo a ponto de cegar os envolvidos, pode ser pouco profundo, mas tem envolvimento… E é fundamental. Discernir essas definições nos ajuda a só nos metermos em algo que queremos.

foto BDSM  SenhorÀs vezes as coisas acontecem sem as guiarmos, e considero esta a forma mais natural e gostosa de experimentarmos nossa vida… Quando as coisas vão se revelando e tomando forma sem forçarmos nada, onde nosso coração diz a direção, ou simplesmente nos diz para não parar, só confiar no caminho e continuar andando…

Sei que estou abordando uma questão que parece ser bem romântica, mas pra mim não parece… É!

Dominadores amam, choram, se apaixonam, sentem tudo o que baunilhas sentem. A diferença é a forma de abordar, e ter suas ideias e sentimentos declarados, quase que escancarados. Mas ok, reconheço que a maioria dos dominadores esconde que são homens comuns, parecem ser maiores do que são e alguns até acreditam nisso.

Não cabe a mim o julgamento. Mas prefiro não ser um personagem fictício.

Voltando ao envolvimento, ah! O envolvimento… Minha sugestão é: ame, entregue-se, confie. Sem o envolvimento não haverá a entrega, muito menos a confiança, ingredientes essenciais para uma relação BDSM ou baunilha de qualidade.

Na dúvida, apenas continue a andar. “Caminhante, não há caminho… O caminho se faz ao andar”, e seja feliz.

Então pra finalizar meu devaneio: Envolver-se É O ÚNICO CAMINHO. Não é óbvio? Deveria!

Saudações draconianas, hoje estou inspirado aiaiai ;)

 

31 comentários em “Pode um dominador se envolver com uma submissa?”

  1. Eu me apaixonei pelo meu Senhor, sou a primeira posse real dele, antes eu já tinha sido posse de outro Dom por 3 anos. Infelizmente me apaixonei por ele, no momento em que ele desejava mais uma sub. Fui tomada por um ciume nunca vivido antes. Devolvi a coleira. Me arrependi e ele não me aceitou de volta. Estou juntando os cacos e tentando seguir. Confesso que me arrependi amargamente de ter me apaixonado por ele

    Responder
  2. Olá, sou Rose tenho 29 anos moro em MG, não sei exatamente de quando é esse texto mas gostei muito, para uma curiosa no assunto como eu sou, foi uma explicação e tanto pois procurei até no bate papo da UOL informações e sai mais perdida do que entrei, fui chamada do nada por um homem de “cadela”, quase desisti de saber mais sobre o assunto mas, ainda bem que encontrei você aqui no Google foi procurando um artigo para a faculdade encontrei essa explicação!! ☺️☺️

    Responder
    • Olá Rose, que bom que não parou de buscar!
      O post é antigo, mas esse aspecto não mudou, talvez tenha até amadurecido e abranja mais elementos agora. Acredito que o fundamento mais relevante do BDSM seja a liberdade, e isso faz com que possamos moldar nossas relações e modo de ver a vida, de forma a tornar tudo o mais próximo possível do que visualizamos para nós. E consequentemente, é possível encontrar pessoas de todos os tipos, com todos os anseios, como na vida baunilha, e acredite, não há mais “malucos” no meio BDSM do que no meio baunilha.
      O desafio é em qualquer um dos meios em que se encontre, você ter paciência, consistência e perseverança, para descobrir quais são as pessoas que têm de fato as afinidades fundamentais com você, que valem a pena investir.
      Muita gente acha que o BDSM age como um catalisador de realizações na vida das pessoas, mas elas esperam que nesse mundo, tudo seja perfeito, esquecendo-se que para que construamos algo realmente perfeito para cada um de nós, é preciso termos matéria-prima imperfeita, daquela que permite ser moldada, transformada, para que se adeque, se encaixe, se adira em nós. Pois, se algo já é perfeito, aquilo não necessita mais de ajustes, de adequações, e certamente não irá se encaixar em tudo, afinal um forma só é perfeita para um tipo de encaixe, sendo impossível e inviável que aja como a água, ocupando qualquer espaço disponível.
      A boa notícia é que podemos moldar .esses elementos e criar, construir nosso ideal.
      Sobre sua experiência com o “criador de cadelas”, não o julgue, ele só não buscava o mesmo que você, e o BDSM é imenso, cabe tudo nesse balaio, então encontre quem queira construir algo o mais próximo possível do que você idealiza, e mãos à obra. Só não espere algo pronto, pois nem todo presente, significa um presente para todas as pessoas. Então isso não existe, é absoluta utopia.

      Responder
  3. Olá!
    Sou uma submissa aprendiz e estou apaixonada por meu Dom. Acredito não ha aprendizado sem entrega total. O amor é a verdadeira escravidão e por ele nos submetemos.
    Adorei seu texto. Parabéns

    Responder
  4. Olá!
    Confesso que tenho pesquisado muito sobre o BDSM e a prática me deixa muitas dúvidas. Há muito que o próprio 50 Tons me respondeu, mas há muito que me confundiu, na mesma intensidade. Indo direto ao ponto: seria possível um dominador ter uma relação baunilha à tarde e à noite suprir seus desejos com pessoas diferentes? Ou ele haveria de abdicar de um? No caso da sua amada não ser uma submissa?

    Responder
    • Olá Velásquez!
      A primeira coisa e a mais importante a se entender sobre o BDSM, é que tudo o que acontece numa relação BDSM, é justamente tudo o que você quiser que aconteça. Não há nada de especial em relações BDSM, é uma relação comum como a baunilha. Então, dito isto, desde que todos os envolvidos (pois às vezes a relação inclui mais de 2 pessoas), concordem com tudo o que for acordado entre eles, e estejam felizes com isso, a relação pode ser do jeito que vocês quiserem.
      Então se é consensual, e todos ficam felizes com isso, você está no caminho certo.
      Não é preciso abdicar de nada, desde que os envolvidos compactuem com isso. E pelo que entendi, você descreve uma configuração de relação onde o dominador tem alguém do bdsm com quem se relaciona, e além disso, uma pessoa baunilha. Honestamente, ele pode deixar claro para a baunilha, que tem a relação bdsm, e se ela topar, tudo funciona em harmonia, e a bdsmer também precisa saber das outras partes. Ou, claro, eu não tenho que ditar nada para a vida das pessoas… Se ele quiser casar-se com a baunilha e a trair com uma submissa, ele pode fazer isso também.
      Espero ter sido claro e ter tirado sua dúvida ;)

      Responder
  5. E se acontecer de só a submissa se apaixonar?? É meu caso é sei que ele não sente o mesmo por mim, na vdd nem sei se carinho ele ainda tem… Eu só não queria abrir mão de ficar com ele, vai doer muito…

    Responder
    • Não considere que as relações BDSM sejam diferentes das relações baunilha, o comportamento e condução da relação se dá exatamente da mesma forma. Converse com ele, pergunte sobre o que ele sente, alinhe as expectativas, isso é saudável para você saber onde está pisando.

      Responder
  6. gostaria que me ajudasse a entender esse mundo onde n sei muita coisa..Bem estamos juntos ha 3 anos e não sei o que sou para ele,,Ele é casado e tem sua vida normal,filhos,trabalho.Ele diz me amar loucamente e que não sua escrava sou sua mulher.Por favor me diga o que realmente sou para ele?

    Responder
    • É muito vago dizer algo sem saber o que acontece exatamente, conhecer a história toda e tal… Mas baseado em minhas observações das relações, você é só a outra… Pois quem quer alguém, não se divide. A não ser que absolutamente todas as partes envolvidas sejam cientes e anuentes. Se não é assim, ter duas vidas ou ter três, quatro, tanto faz… Avalie bem, amantes ficam esperando os seus amados a vida toda, e eles sempre estarão casados com a esposa deles. Se é o que lhe contenta, ok… Seja feliz, mas se não é,mesmo que doa, caia fora o quanto antes.

      Responder
  7. Olá
    Sempre tive relações baunilha, um belo dia me e cantei por um homem misterioso, meu dom , começamos há pouco tempo e nossa relação esta cada dia mas intensa, meu dom me trata super bem, me respeita e se preocupa CMG porém ele me confessou que quer uma relação mas forte, intensa mas profunda CMG ele me diz q e louco por mim e já iniciamos nossa sessão ate já fui punida. Confesso que estou gostando muito me sinto bem a vontade , completa e viva. Apesar de ser uma mulher independente estou amando ser a sub do meu dom e confesso que me casaria com ele sem problemas

    Responder
    • Olá Daniele, obrigado por seu testemunho, fico feliz em saber que mais pessoas têm visto o bdsm como algo que é absolutamente viável, numa relação de fato normal.

      Responder
  8. Gostaria de fazer uma pergunta, pq a maioria dos Dons e Domes tem dupla vida, tem uma relação BDSM e a baunilha e pq não ter os dois tipos de relação com uma só pessoa?
    Se o que procuram é a entrega absoluta

    Responder
    • Olá!

      Nem todo praticante bdsm tem essa postura. Eu por exemplo, me casei com minha sub… entendo que pessoas que vivem vida dupla, são pessoas que curtem ter vida dupla… igual a um baunilha que trai a esposa com 1 ou várias amantes… questão de personalidade da pessoa.

      Responder
  9. Olá,
    Não conheço nenhum Dominador e não sou submissa, já li alguns blogs BDSM e vi que é um pouco complicado se a submissa se apaixonar pelo Dominador ou vice-versa. Eu não vou mentir, tenho vontade de viver uma relação assim, mas tenho medo de me apaixonar pelo Dominador e ele não e por a relação em risco.

    Responder
    • Olá Luna, não trata-se de relações BDSM, isso vale em qualquer tipo de relação: Se você tem medo de viver algo com alguém, nem comece. O envolvimento está sob riso o tempo todo, e a vida é correr riscos, nada é garantido.

      Responder
  10. Sabe, concordo plenamente com você, a unica diferença entre o envolvimento BDSM e baunilhas é a forma de sentir prazer. Sempre me interessei por essa relação e embora nunca tenha experimentado, estou sempre lendo sobre o assunto e me atualizando, acredito e espero que o mesmo seja alvo de muita discursão, as pessoas precisam conhecer e entender antes de criticar. E obrigada por nos maravilhar com seus pontos de vistas. As pessoas precisam entender a diferença entre o ‘saber’ e o ‘apenas ouvir falar’, chega de ‘achismos’ somos todos iguais, e temos o direito de escolher como iremos sentir, nos intregar e amar. E viva o amor!

    Responder
    • Eu sou o contrário de vc Fê, nunca me interessei pelo o assunto e sempre tive um pouco de preconceito. Até conhecer (sem querer) um dominador.

      Hoje em dia não imagino que haja outra forma de sentir prazer.
      Nunca me senti tão respeitada, apesar da forma “diferente” de se fazer sexo. Confio nele, sei que ele nunca excederia meus limites. Ele sabe no meu olhar quando não consigo ir adiante…

      Estamos há um ano “nos encontrando” e toda vez que ficamos juntos se torna melhor!
      O problema é que ele me trata tão bem “fora das quatro paredes” que eu me apaixonei e não sei o que fazer.
      Não acredito que ele queira ter um relacionamento “normal” comigo, tipo namorar… Ele já deu a entender uma vez.

      E assim vou levando, vendo ele as vezes, me apaixonando mais e sentindo mais prazer ainda

      Espero que um dia a vida nos indique a direção correta rsrs

      Responder
      • Olá Ká,
        tenho um relato que pode ser interessante para você.
        Nesses quase 17 anos no bdsm, eu já tive relações de alguns anos, uma de 8 anos, algumas de 2, 3, 1 ano… E sempre estive muito satisfeito com todas elas. Sempre me relacionei como num namoro “normal” como você citou, que eu chamo de namoro baunilha. Nada muda, eu faço tudo o que as pessoas baunilha fazem em suas relações, e como eu, há MUITOS dominadores assim. com a Flames é diferente, eu nunca tive vontade de me casar com alguém, e ela, como já citei em outros posts aqui, é um encontro feliz na minha vida. E por isso, vou me casar com ela.

        Escrevo aqui para procurar mostrar que é possível ter uma relação BDSM bem estruturada e que vá além das sessões e práticas BDSM, com respeito, carinho, amor, admiração e compromisso. Eu diria que alcançar um nível diferente e alto de uma relação, só depende dos envolvidos, e obviamente da DISPOSIÇÃO deles, pois se não houver disposição para se ter uma relação intensa, duradoura e profunda, claro que as coisas não irão passar de experiências em sessões. Por isso é legal conversar e entender os objetivos de cada envolvido. É possível se ter uma relação melhor que as relações baunilha boas, mas é preciso querer algo mais que só chegar e pegar tudo pronto numa relação… É preciso fazer a sua parte, entender bem como as coisas funcionam e até aonde podem ir. E alinhar as expectativas com o outro.

        Seja feliz!

        Responder
  11. Gostei muito do seu ponto de vista . algumas pessoas acha que bdsm é algo de gente louca e eu discordo totalmemte . já tive um dominador na minha vida e eu acho que mesmo ele não querendo ele teve um envolvimento comigo ,pois, ele me deu atenção,entrega e confiança e no final ele mesmo que não quis aceitar isso . então gostei do seu ponto de vista . bjs .

    Responder
    • Olá nina, obrigado pela interação, é de mais discussões sobre os assuntos, que o bdsm precisa. E fico feliz em saber que ao menos mais um dom pensa como eu, e consegue ter uma relação equilibrada e de harmonia com a sua sub.
      Eu não consigo ter relações profundas (as que prefiro) sem me envolver de verdade, e não acredito em relações que não tenham envolvimento grande, acho que elas existem sim, mas são vazias, ocas.

      Sejam felizes!

      Responder
  12. Concordo contigo!
    Sem envolvimento, não há profundidade, intensidade. Pra mim, que sou normalzinha, nada melhor que ninguém, o envolvimento é fundamental. Está no cerne do próprio conceito de relação. E gosto assim: em tudo deve haver envolvimento. Envolver-se é estar inteiro em tudo o que se faz.

    Responder
    • Bem-vinda Melissa,
      pois é… o envolvimento no BDSM é algo que precisa ser visto como normal, porque não há nada de anormal no BDSM, só as pessoas que o vêem como algo especial, ou estranho.

      Responder
  13. Olá
    Acho que o Senhor é genial, nos brinda com uma naturalidade incrivel e faz nos sentir maravilhosamente comuns e naturais. Obrigado por sua humanidade e nos ensinar que é na diferença que
    nos tornamos iguais sem
    culpados nem culpas só humanos… trilhando caminhos o importante é ser
    verdadeiro.
    bjs.
    PS. Estou amando ler estes conteúdos…. obrigado

    Responder

Deixe um comentário