Eos: e então, o início.

Eos de Drácon

Ela estava tensa, pálida, suas pernas tremiam, os seus lábios estavam secos.

Era a primeira vez que ela o encontraria. Ele a todo momento fora claro e seguro, não deixando espaço para dúvida ou desconfiança.

Ainda assim, o toque, o cheiro, a voz e a energia de quem estava prestes a dominá-la, faziam parte do desconhecido. Um desconhecido assustador, cheio de fantasias e perguntas ocultadas.  A preocupação constante da não aprovação. O desejo por ser aceita. Cada pequeno preparo para seu dono, a faziam sentir radiante. Era para ele, somente para ele, e os detalhes a faziam sorrir. A escolha da lingerie, do perfume, da maquiagem…

Era chegada a hora de seu  “blind first date” (primeiro encontro às cegas).

Quando o assunto foi abordado a primeira vez, ela sentiu contrair o estômago, sua cabeça deu um nó. Medo, curiosidade, desejo… Ela já não saberia dizer não… As conversas evoluíram. A certeza de que o pertenceria, estava entranhada em seu corpo, sua mente. Ele era tudo que uma submissa poderia desejar para si. Era inteligente, seguro, paciente , sobretudo um grande conhecedor do universo tão fascinante e atraente que ela deseja adentrar. Ele era a pessoa certa! Ela por sua vez, atentava para tudo que ele a ensinava. Absorvia suas o opiniões. Desejou imensamente ser a melhor escolha dele. Sabia o que tinha a entregar. Só pensava em estar pronta. Até chegar o dia, sentia mistos de medo e desejo…

Chegou o dia. Ela no aeroporto, não era sua cidade, mas era o grande dia. Ela sabia o que fazer, foi ao banheiro, molhou o rosto, não queria parecer desesperada. Tremia. Não havia como evitar. Pensou em comer algo, desistiu. Eis que o telefone toca “oi menina, sabe como deve fazer, ao entrar no carro, feche os olhos, você será vendada”. Sentiu enjoo. Temeu não suportar tamanha emoção. Obediente, fez exatamente como ordenado. Chegaram ao hotel. Ela saiu sem olhar para trás. Seu nome estava na reserva do quarto. Tinha uma hora para estar pronta. Ele voltaria. Era uma ordem. Ela entra no banho, demora. Experimentou todas as lingeries que levara. Liga a TV. Desliga. Põe uma música no celular, desliga. Se examina trinta vezes diante do espelho. Faz um exercício de relaxamento. Nada ameniza a tensão e ansiedade. Prende os cabelos, menos alto, mais frouxo. Sentiu um calafrio, faltavam poucos minutos. Se ajoelha de costas para a porta, só de lingerie, cabelos presos, nuca a mostra. A Respiração ofegante, as pernas fraquejam, o coração na boca. Ouve o barulho da fechadura. Pensa: meu dia chegou, meu Dono está aqui. Ninguém jamais poderia imaginar tais sensações, somente estando em seu lugar, pensava ela. A cada passo de seu Dono, em sua direção, seu coração saltava forte, a respiração gritava, sem disfarce, no silêncio do quarto. Ele a toca no pescoço, fala em seu ouvido, seu corpo a golpeia quente e forte. Sente o líquido escorrer e suas bochechas corarem…

De olhos vendados, entregue, cabeça baixa e mãos para trás, sentiu-se completa, em seu lugar, nua, vulnerável à vontade de seu Dono.

Encoleirada, sentiu-se estranhamente a vontade.

Assim permaneceu por horas, vendada, exausta, usada, nua. Se manteve em silêncio, aguardando qualquer manifestação de seu dono. Sabia que depois desse momento sua vida jamais voltaria a ser a mesma…

Eos de Drácon

3 Comments

  1. Aline says:

    Aquele momento no qual a leitura te fez viver e estar na situação. Indescritível.
    Quero viver isso.

  2. Eu... says:

    Vivi há 4 dias uma experiência muito parecida, diferenciando apenas que por não se tratar (será? não sei, desconheço…) de BDSM, tudo aconteceu, ele se foi, e continua para mim um completo desconhecido….

  3. Adriana says:

    Sem fôlego aqui…sem palavras tambem…

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *