Uma submissa gostosa que busca relação séria?

Submissa gostosa, com foto… Procura relacionamento sério com DOM que seja sério (e não pense só em sexo) oi?!

 

Sempre refleti sobre isso… É uma vitrine de açougue

E depois reclamamos que o meio bdsm é sempre invadido por pessoas que procuram apenas sexo fácil, que não têm profundidade alguma e que não pensam em relacionamentos, mas em relações sexuais…

Pense comigo (se você é uma submissa que tem fotos de nudes suas ou mesmo de coisas que você fantasia e/ou goste, não se ofenda, não é uma provocação ou crítica, é uma orientação que parte da minha exclusiva opinião):

Vamos lá, vamos montar o cenário, você é uma submissa linda, gostosa, fotogênica, criativa, inteligente e interessante, que tem certa experiência no BDSM, tem disponibilidade para viajar e é a mulher perfeita para casar, com tantos atributos e disponibilidade, além da disposição… (e só um adendo, essa submissa existe, aos montes… Eu mesmo casei-me com uma assim.) Mas voltando ao assunto…

Aí o texto do seu anúncio está assim:

Submissa procura dominador sério, que tenha entre x e y de idade, more na cidade tal e busque submissa de alma, para relação profunda e séria. Com envolvimento e baseada no SSC ou RACK.

E a foto de chamada do seu anúncio é essa abaixo (tirei da internet, alguma foto famosa)

gostosa-de-costsas gostosa-turbinada

Agora vem a análise, pense:

Um dom sério, de respeito, que não busque apenas sexo, que é muito confundido com a temática bdsm, busca alguém que não se exponha, que seja como ele. E você não gostaria de ver fotos dele com o pau na mão, apesar de gostar de nudes, você iria preferir ver se o dominador tem mesmo a ver contigo, e isso o aproximaria de você, e só então uma outra parte da história (que também é muito relevante), vem à tona: Que é a aparência física e o conteúdo mais ligado ao sexo…

Então, quem acompanha meu blog já sabe que eu bato muito nesta tecla: não coloque fotos que não condizem com o seu discurso. Mesmo que você tenha um corpo maravilhoso, ele não pode ser o chamariz, senão vai aparecer muitos pretendentes, mas todos eles afim de te comer, e dificilmente nessa turma toda, você vai identificar ou mesmo ter saco de selecionar o dominador que vale a pena conversar. Pois todos só querem saber o tamanho da sua bunda e se os seus peitos são de silicone.

Não sei se me fiz entender, mas vejo esses anúncios como uma verdadeira vitrine de açougue, e se você busca sexo sem enrolação, ok, isso funciona demais… Mas se você busca alguém para ter uma relação que valha a pena, esse é só o terceiro passo no processo, as fotos são secundárias e não são elas que deveriam chamar a atenção da pessoa para que ela fizesse contato, mas um anúncio detalhado, direto e sem mensagens subliminares… Tudo precisaria estar muito claro e objetivo.

Então pense, o seu perfil público ou mesmo pros amigos, condiz com sua busca?

Se você quer algo mais do que só sexo, não ofereça o que vai induzir a pessoa a pensar só em sexo!

As pessoas fantasiam muito quando pensam em BDSM, e acham que é um mundo paralelo, e só porque é mais liberal, que cabe fazer essas exposições…

Dê sua opinião!

Projeto Luxúria – Novo canal BDSM no YouTube!

Projeto Luxúria – Novo canal BDSM no YouTube! 

por Heitor Werneck

Recebi hoje uma nota de imprensa da publicação do canal do Heitor Werneck no YouTube, e como gosto muito do trabalho dele e do Projeto Luxúria, cá está meu quinhão:

BDSM é um acrônimo para a expressão ‘Bondage, Disciplina, Dominação, Submissão, Sadismo e Masoquismo’; um grupo de padrões de comportamento sexual humano. Até pouco tempo, tais fetiches não eram debatidos abertamente. Com o surgimento do fenômeno ’50 Tons de Cinza’, o BDSM ganhou os holofotes.

projeto-luxuria-heitor-werneckNo entanto, a realidade do universo fetichista é bem diferente da ficção. Um dos precursores do movimento no Brasil é o estilista e produtor cultural Heitor Werneck, que há dez anos lançou o Projeto Luxúria, uma das noites fetichistas mais consagradas do país.

Em comemoração a uma década da festa, o Projeto Luxúria acaba de lançar seu próprio canal no YouTube, a fim de desmitificar o BDSM. Quinzenalmente serão publicados vídeos com entrevistas de personalidades do meio, com aproximadamente dez minutos de duração cada.

Além de assinar o roteiro e a direção, Heitor Werneck também conduz a conversa. A primeira entrevistada é Domme Hot Mahara, que fala sobre empoderamento feminino, as responsabilidades de um dominador, a relação entre dominador e submisso, violência contra a mulher e feminismo dentro do universo BDSM.
O próximo entrevistado será com Toshi, mestre de amarrações de shibari (técnica japonesa de Bondage).

O link do canal é: https://www.youtube.com/channel/UC_yNxRPENdbx0X0e8r2NARQ

Eu já havia falado desse vídeo em questão neste link: https://www.dominador.org/entrevista-bdsm-heitor-werneck-do-projeto-luxuria/

Entrevista BDSM – Heitor Werneck do Projeto Luxúria

Entrevista BDSM decente

Quem já leu algo dos meus posts, percebeu que eu sou crítico e desbocado. E valorizo muito as pessoas que tive a sorte de conhecer, que têm postura, caráter e espírito de colaboração.

Heitor Werneck é um desses caras… Ele produz o Projeto Luxúria, é conhecido no meio, mas acima de tudo, é uma pessoa que vale a pena sentar do lado e bater um papo, seja profundo ou superficial, sobre BDSM e pessoas. Sim, pessoas… Porque entender melhor o BDSM, depende absolutamente de seu olhar sobre as pessoas.

Abaixo o vídeo com duas partes da entrevista do TV Luxúria, que recomendo assistir. Este é com a Hot Mahara, uma Domme profissional.

Desfrute e compartilhe, e mais importante: Deixe sua opinião também!

https://www.youtube.com/watch?v=rc0ei3zutk4

https://www.youtube.com/watch?v=FluLkthjGFE

https://www.youtube.com/watch?v=qRQ3wMeylT8

 

Por um mundo mais “igual”

Ser igual, para ser diferente

Eu fui à festa BDSM no dia 24/07, no Projeto Luxúria, do querido Heitor, da qual eu falei neste link. Mas isso eu vou escrever depois, para contar como foi.

Hoje venho escrever que assisti a um making of que o Heitor (do Projeto Luxúria) participou, e que eu adorei a ideia, e acho que precisamos de pessoas que abram a cabeça e comecem a ver as coisas mais claramente, com mais respeito e humanidade. Chega de tanto preconceito e estupidez. E eu não perco essa exposição, vamos?

https://www.youtube.com/watch?v=i5OaFKeFoOM

Discussões um tanto estranhas sobre o BDSM

Ser submissa ou ser uma ursa?

Lendo uma discussão sobre o que é submissão e me deparo com isso abaixo:

“A ursa americana, qdo chega a época de acasalamento procura o macho mais forte e poderoso e o ataca. E ela luta o mais ferozmente possivel. Caso esse nao a domine e subjulgue nao a tera. Caso seja mais forte q ela e a derrote, essa tera condicoes de a defender o proteger, e a prole, alem do q ela faria so. Por a do.inar ela se sente, apesar de machucada, segura, confiante, solida.
Estar com quem a domina adiciona conforto. Soma. O queva domina adiciona e por isso ela se entrega”

Mantive os erros de “digitação”, e forma de escrita. Foi copy+paste mesmo.

E comentários assim me fazem pensar como as pessoas são estúpidas. Queria dizer muita coisa sobre isso, pois meu pensamento voa e urra por algo que fincaria uma estaca no peito de um apedeuta desses. Claro, sobre BDSM.

As pessoas insistem em procurar uma explicação, como que um pretexto por serem do meio. E é tão frequente o pensamento medieval (e olha que adoro contos medievais! Mas pensamento retrógrado não me cai bem…), que eu não sei se vomito ou se rolo de rir.

Bom, não vou escrever mais sobre isso neste post, só quis mesmo compartilhar minha desaprovação. Respeito pontos de vista, mas não concordo com este. Não temos nada de ursos. Fui educado, pensando na máxima que se não for uma crítica para adicionar algo, melhor me calar, mas a minha resposta para essa pessoa deveria ser mais ou menos assim:

-Cala a boca!

E tenho dito.

PS.: coitadas das ursas americanas submissas.

Conselhos de puta velha

Conselhos de puta velha

Eu sei que o título te chamou a atenção. Ele havia me chamado também… Esse não é um texto meu, mas achei interessante compartilhar porque ele diz algumas coisas que eu gostaria de dizer àquelas mulheres que ficam perguntando a fórmula para as coisas, mas que não olham pro próprio umbigo. Querem tudo no mole e não querem se esforçar, ou “doar” nada de si.

Não conheço Isis Thot, mas encontrei algumas referências com o crédito pelo texto à ela, então estou reproduzindo-o aqui.

DEZ CONSELHOS DE PUTA VELHA

1-. Não se esforce demais. O lingerie de seda, o perfume importado e o jantarzinho a luz de velas com vinho caro é para quem merece. Algumas mulheres têm mania de pegar um ficante que encontrou há a uma semana na balada, levar pra casa e tratar como um rei. Tratamento vip é para namorado firme e marido, se merecerem. Porte-se como uma joia rara e como tal não se doe facilmente para o primeiro que aparecer, não importa o nível da sua carência, seja valiosa.

2.- Pare de ser tão boazinha. Abrir mão do que gosta, mudar o jeito de ser, deixar de se divertir, só porque começou um relacionamento e está apaixonada? Homem gosta de mulher com vida própria, orbitar em volta dele é receita certa para o fracasso, ele pode momentaneamente demonstrar que gosta deste estilo, mas logo se cansa. No fim você perde o namorado e os amigos. Sem contar que ele não vai abrir mão de assistir futebol para ficar com você. Use o mesmo critério para lidar com ele e no fim ele estará te acompanhando em tudo, feliz da vida, afinal é muito bom estar ao lado de pessoas que tem vida.

3.- Pare com os joguinhos. Os casais perdem a oportunidade de se conhecer de verdade e sem máscaras. Está manjado demais transar só no terceiro encontro, não responder a mensagem antes de 60 minutos, só atender o telefone no quinto toque, fazer ciúmes sem necessidade e fingir que não dá a mínima. Encontrar o equilíbrio entre ser disponível demais e ser inacessível está difícil. Ninguém mais demonstra interesse e tesão pelo outro de forma saudável. Nunca sabemos se o outro não liga no dia seguinte porque não está interessado ou porque está se fazendo de difícil para valorizar o passe. Ter tato para não perder a dignidade e saber a hora de bater em retirada é importante, mas um pouco de transparência e sinceridade não faz mal a ninguém. Se for fazer joguinho, seja inteligente, crie novos truques, pois alguns já estão batidos demais.

4.- Jamais se rebaixe. Não importa qual foi a traição, a culpa é do seu parceiro e não da “vagabunda” que ele comeu, a não ser que ela tenha colocado um revolver na cabeça dele. Essa história de mulher bater na amante é ridícula. Nenhum homem é digno de escândalos e manifestações públicas de ciúmes, isso inclui as indiretas nas redes sociais. Mesmo que tiver chorando lágrimas de sangue, fique em cima do salto, ninguém precisa saber da sua condição miserável, não dê esse gostinho para as inimigas e para algumas amigas falsas e invejosas. Aprenda, para algumas pessoas só contamos as vitórias!

5.- Seja você mesma. A performance do filme pornô de quinta categoria não precisa necessariamente ir para sua cama, nada mais patético que a mulherada que finge orgasmo e ainda quer contar vantagem “ pras amiga”. Sem contar que se a coisa for forçada demais o homem percebe. Já ouvi depoimentos de caras que simplesmente brocharam em situações assim. Nada contra quem gosta do estilo e faz porque realmente gosta e está com vontade, mas tudo que é falso e feito somente para tentar impressionar o outro pode gerar efeito contrário.

6.- A diferença entre ser feminina e mulherzinha. Homem quer ser homem, o chefe da casa. Suba na cadeira e chame o gato pra matar a barata, peça-o para abrir a conserva de azeitona e trocar a resistência do chuveiro (essa é uma lição que ainda não aprendi). Quando o macho alfa terminar, não esqueça de agradecer e elogiar tanta virilidade Não importa se você é presidente de uma multinacional e ganha cinco vezes mais que ele, seu parceiro vai adorar uma mulher feminina que o valorize enquanto homem e que o faça sentir-se útil (isso se ele merecer). A mulherzinha olha a marca do carro, dá golpe dá barriga e é manipuladora, faz escândalo por qualquer coisa, quebra as finanças do parceiro, requer atenção total, mas é afetivamente mesquinha, só recebe. Mulherzinha, ai que preguiça! Para os leitores que levam tudo ao pé da letra, é claro que esse é um exemplo, existem infinitas possibilidades para valorizar um homem, e não podemos limitá-los apenas a matadores de baratas e abridores de conservas.

7.- Escolha bem seu parceiro use a razão não só o coração. A mulherada lutou e luta tanto por igualdade, mas hoje tem jornada dupla e até tripla para dar conta da vida profissional, casa, filhos e marido. Queria saber onde está a igualdade nisso, pois enquanto a mulher se desdobra, muitos maridos estão no sofá assistindo tv ou no bar com os amigos. Quando for se relacionar com alguém, antes de se envolver loucamente em um amor de pica sem fim, preste muita atenção na sogra, veja como ela trata os filhos. Dá tudo na mão, recolhe os sapatos e meias sujas pela casa, faz o pratinho de comida com o feijão em cima, lava as cuecas, defende cada um até a morte mesmo que estejam errados? Se for esse o caso, AMIGA CORRAAAAA! Caso contrário, você será uma forte candidata a Amélia emancipada.

8.- O borogodó – Magnetismo pessoal e amor próprio vale mais que um corpo sarado. A mulherada está caprichando tanto no treino, na lipoaspiração e no silicone, mas o número de fracassos amorosos não diminui. Outra ala se sente gorda demais e sem autoconfiança para atrair o sexo oposto, mas também não faz nada para mudar. Existem mulheres que aparentemente não possuem nada de especial, podem até ser “feias”, porém, por alguma razão os homens caem aos seus pés. Esse magnetismo em algumas mulheres vem de onde? O que elas têm é independência emocional, se apoiam sozinhas, se bastam, tem outras metas além de agarrar um homem, estudam, trabalham, viajam e são felizes sozinhas ou acompanhadas. Não vivem carentes chorando pelos cantos, não são cheias de mágoas, não pegaram ódio dos homens por conta de decepções do passado. Aconteça o que acontecer, essas mulheres estão sempre de cabeça erguida e tem uma vida que não se limita apenas em se arrumar para encontrar um macho.

9.-Seja uma puta entre quatro paredes e o que quiser na sociedade. Afinal o que é ser uma dama na sociedade? A Amélia emancipada devotada à família, a esposa renegada que trabalha que nem camela para dividir com o marido as contas de casa? Tem algo mais irritante que estereótipos do que é ser uma boa mãe e esposa? E a quantidade de cobranças que recebemos quando não atendemos esse modelo? E essa mulher resignada e atarefada, consegue ser o mulherão que os homens adoram entre quatro paredes? Claro que não!

10.- Conheço casais que nunca conversaram sobre suas preferências e fantasias sexuais. Tudo bem que não é fácil manter o tesão a todo vapor 100% do tempo, mas quanto vale o seu relacionamento? Será que ele não merece um pouco mais de investimento? Nem é tão difícil assim satisfazer um homem, faça bem feito, faça com gosto, mostre que ele é desejado (se ele merecer) nem precisa se pendurar no lustre e saber todas as posições do kama sutra, basta tirar algumas horas para dedicar exclusivamente a ele, com amor, carinho e uma pitada de sacanagem, por que não? Por ele sim vale investir no jantarzinho a luz de velas, no lingerie de renda e no vinho caro.”

“Esse título foi inspirado por uma grande amiga, prostituta aposentada, que acumulou uma experiência de vida que poucas vezes vi igual. Na verdade, ela tem a idade da minha mãe e sempre me deu conselhos dizendo: – Ouve o conselho dessa puta velha! Por incrível que pareça, toda vez que não seguia os conselhos dela me dava mal. Esta mulher até hoje tem em suas mãos tudo que quer e um poder de atração de dar inveja a qualquer ninfeta de 20 anos, soube investir todo dinheiro que ganhou e tem uma vida mais que tranquila ao lado do grande e único amor de sua vida. E quando pensamos em puta, pensamos logo em promiscuidade e vender o corpo, mas tem muita puta por aí mais digna e honesta que certas mulheres tidas como “damas da sociedade”, mas que já se venderam mais que tudo e por muito pouco. Histórias assim são para quebrar os paradigmas e fazer repensar alguns valores, sem contar que chacoalham os puritanos, as feministas e críticos de plantão.”

por ISIS THOT

 

Pequeno principe é o cazzo

Tu te tornas eternamente responsável pelo que cativas

É o cazzo!

pequeno principe é o catzo

Eu sempre achei que Saint Exupery desse cambalhotas no caixão quando estupidamente as pessoas associam uma frase da obra dele, à filosofia barata dos carentes de plantão.

Hoje eu ouvi um cara (que por sinal é padre) falar numa entrevista, sobre essas pessoas com uma clareza que eu gostaria de ter dito, então cito-lhe aqui. Assista o vídeo abaixo a partir de 6 minutos e 35 segundos e vai entender do que eu falo.

E ele diz exatamente o que penso: “os carentes de plantão me ameaçam com essas frases…”

O que isso tem a ver com BDSM? Ah! muito… pense a respeito, e lhe convido a comentar aqui o que acha.

E então, nasce Flames de Drácon

Nasce Flames de Drácon

Uma confusão que gosto de fazer com as pessoas, é a base do meu pseudônimo Draconiano. Eu adoro dragões, os medievais, de preferência, e tudo o que eles significam. Mas Draconiano vem de Drácon, que foi um legislador ateniense que era muito rígido e das leis draconianas, algumas foram a base para para o código penal atual. Usa-se o termo draconiano quando refere-se à uma lei que abusa da rigidez… E claro, no direito, há vertentes do significado dessa expressão, mas não vem ao caso.

Eis que um dia, um encontro feliz de almas ocorreu. Tal encontro foi marcante a ponto de me fazer crer que eu tenha encontrado a submissa perfeita, não só a submissa, mas a pessoa perfeita pra mim. Alguém que consegue conviver com minhas diferenças, tem as características que eu procurava em alguém, e joga vídeo-game comigo! ok, ok, isso não precisava estar na lista! O fato é que é difícil expressar a satisfação que sinto com esse encontro extremamente feliz que tive com minha Flames.

Flames de Drácon

Quando eu me referia a uma submissa ideal em meu pseudo-anúncio buscando uma submissa (clique para ler), eu me referia à Flames, ela; como eu, acredita que pode haver harmonia num casal que tem vontades e quer saciá-las, independente do que seja preciso para isso. Ela não é bobinha, não precisa de muitas explicações sobre como as coisas funcionam, é dedicada, inteligente, disposta (pessoas dispostas de verdade são raras), acredita que podemos viver plenamente e que as coisas podem ser feitas, combinadas, esclarecidas, entendidas, libertadoras…, é adulta, valoriza a verdade e o compromisso.

Sou um daqueles velhos dragões, que com seu fogo podem destruir, defender, curar, alimentar, aquecer, cozinhar, transformar… E que encontrou a chama de suas labaredas, que lambem sua língua, e transbordam em seus lábios, moldadas a seu bel prazer.

E que meus prazeres continuem sendo os seus, para que possamos explorar cada meandro dessa nossa experiência rica e luminosa, feita do seu bruxulear cálido.

Vim compartilhar com vocês algo que há muito estou ensaiando para escrever, mas que me deixa meio sem palavras… Isso acontece quando eu tenho muito a dizer sobre algo. Mas era hora de escrever, deixar de adiar. E escrevo na esperança de mostrar para as pessoas que têm dúvida, de que é possível no BDSM, ter relações completas, absolutamente plenas e estáveis, com respeito, lealdade, confiança e amor.

É raro, e dá trabalho, mas se você quer algo fácil, melhor procurar algo mais morno e raso, pois para se construir algo sólido e grandioso, é preciso encontrar o lugar certo, o material certo, e a disposição adequada para enfrentar tudo o que significa uma construção.

Há meses que sou um homem mais feliz, e boa parte da responsabilidade sobre essa afirmação é sua, Flames.

Flames de Dracon -

Regras e conduta no BDSM

É sempre muito complexa a iniciação no BDSM, justamente porque acha-se que há uma aura misteriosa por trás de tudo, e que as coisas têm um jeito diferente de funcionar, em comparação ao mundo baunilha. O fato é que as coisas são iguais, com alguns conceitos adicionados apenas. E sempre caio em alguma discussão a respeito, de pára-quedas… E li um post recheado de metáforas, e quem me acompanha sabe que adoro metáfora, então resolvi compartilhar… Pois ele diz um pouco sobre como as coisas são, de forma diferente, com outro olhar. Apesar de eu não gostar de futebol, talvez seja uma linguagem palatável para alguém aí do outro lado.

Segue:

“Eu prefiro jogar futebol trombando nos jogadores adversários, assim eles caem no chão e não me atrapalham.”

Longe de caracterizar apenas “uma opinião”, aqui temos o que poderíamos chamar de ignorância…

O BDSM? Não é diferente.

Forma mais fácil de se distinguir o que é uma opinião de alguém, do que é um conceito ignorante?

Conheça as regras do jogo buscando BOAS fontes. Vá na raiz. No início. Pesquise!!!!!!!!!!!!!!

Não caia em conceitos só porque “muitos os defendem”…
– Ou pode acabar recrutado para uma “torcida organizada”,
dessas que só servem para organizar brigas violentas umas com as outras, e achar que está vivenciando uma parte legítima e saudável do futebol.
Nem aceite ou acredite piamente em algo só porque um famoso, ou seu melhor amigo, disse… Ou ainda porque “apareceu em um vídeo”…
– Ou pode acabar cismando que concurso de embaixadinhas é jogo de futebol, que um jogador autêntico quebra paredes se der bons chutes e até que determinado time é melhor que os outros sem qualquer base técnica.

2 – Se alguém lhe afirmar que…
…”Em sua época, o pó de arroz fazia parte do uniforme?”…
…”Verdadeiros jogadores jogam descalços ou só usam nike?”…
…”Ninguém pode jogar futebol vestindo jeans?”…
…”Só pode jogar futebol quem achou sua vocação cedo nisso?”…
…”Ou ainda que só é jogador quem joga em copas e está na TV?”…
…”O único futebol de verdade é o que existe em clubes oficiais?”…
…”Futebol de verdade joga-se tranquilamente no playstation?”…
…”No futebol ou se é goleiro, ou se é técnico ou se é jogador?”…
…”Que todo jogador experiente é bom técnico por natureza?”…
…”Jogar com as mãos faz do futebol um esporte completo?”…

Lembre-se que:
-> Alguns costumes são locais e mudam com o tempo.
-> Há espaço para entusiasmo com opções e gostos pessoais.
-> Amadores, profissionais e novatos equipam-se diferente.
-> O gosto por algo nem sempre aparece cedo.
-> Futebol é lazer e esporte antes de ser competição e exibição.
-> E, claro, sendo esporte ou lazer indepente de associações.
-> Que um fâ de algo vai sempre idealizar ser aquilo ao máximo.
-> Na vida pessoas mudam, momentaneamente ou de vez e isso é normal.
-> Mas nem sempre antiguidade significa boa formação.
-> E sim… Futebol tem regras. Quando ignoradas? Deixa de ser futebol!

3 – Antes de entrar em uma batalha de opiniões?
Questione suas fontes E as dos demais.
Faça o possível pra VOCÊ estar de acordo com boas fontes antes de mais nada.
Por vezes? Sim…
Será você o equivocado na história.
(E quanto antes perceber isso, melhor.)
…Mas nem sempre há um certo ou um errado…
…E, quando há? Isso vem de algo que possa ser provado.
(E aí parabéns se você for o lúcido e esclarecido.)

Dica óbvia? Preste atenção em detalhes.

No BDSM, é comum haverem fontes de qualidade duvidosa sendo referenciadas só porque são as mais acessíveis, conhecidas ou ainda por apregoarem que são as corretas sem qualquer base.
– Sejam CRITERIOSOS com suas fontes.
Também é comum o BDSM ser usado como pretexto, por quem tem segundas intenções, desviando-se de seu objetivo (o KINK mútuo, consentido e responsável).
– Tal e qual também fazem com o futebol as vezes. NADA está livre disso.
E “quem anda com porcos, farelo come”…
O ser humano é muito vulnerável à aceitar um “falso dogma” por estar emocionalmente ligado à quem apregoa determinada coisa.
Ou ainda por considerar aquilo uma identidade de grupo.
– Isso pode acontecer comigo, contigo e qualquer outro que não se policie. E se acontecer? Isso se torna obstáculo à evolução do praticante.

De resto? FIQUEM ESPERTOS!

Texto de Don Marco Alighieri

O post não é meu, como expliquei no início.

Preconceito e exclusão no BDSM

Preconceito no BDSM: Um tiro no pé!

Mais respeito por favor!

diferenteEu sou um defensor ferrenho da causa BDSM sem preconceitos, justamente porque grupos como o nosso, sofrem preconceito e são estigmatizados justamente por não serem entendidos, ou por intolerância, ou simplesmente burrice mesmo, de quem os exclui.

Mas é impressionante a avalanche de babacas que põe fogo nas coisas e querem ver tudo arder, e depois eles reclamam que são vítimas de preconceito. Levantando uma bandeira de que “Nós BDSMers somos vítimas de preconceito mas somos super liberais, cabeça-aberta e blá-blá-bla” Acontece que esse mesmo povo, faz banca para apedrejar o primeiro que tiver alguma prática que eles não conheçam, ou que simplesmente não concordem… Se eles acham a prática estranha ou que “não se classifica no BDSM”, eles crucificam a pessoa que citá-la.

É curioso que a Teoria das Janelas Quebradas se aplique com tanta frequência, em tantos lugares… Se quiser saber do que eu estou falando, clique aqui e veja outro post meu a respeito.

Participei de uma crucificação dessas, vou explicar e em seguida copio abaixo o printscreen que fiz da crucificação no Facebook.

Todos que me acompanham, sabem que sou adverso à dominação virtual, pois sempre exponho minha opinião a respeito disso. Mas não critico ninguém que curta isso, e em dado momento, até resolvi perguntar para “dominadores” e “submissos/as” que curtem a “prática”, mas não me convenci de que isso seja algo válido pra mim. Ok para quem quer brincar de jogo bdsm virtual, mas pra mim isso não existe. Justamente porque posso ditar tarefas ou ordens à minha sub por telefone, e-mail ou whatsapp, mas ela já tem uma relação real comigo. Agora; ter uma “relação virtual” com alguém e ditar regras e tarefas é só engraçado pra mim, motivo de piada. MAS… veja bem, eu não exponho ninguém, nem acho que isso seja saudável.

Então, o sujeito escreve no Facebook que quer uma submissa para humilhá-la no whatsapp! Eu acho engraçado, mas não critico-o… E resolvo investir meu tempo para ler o que comentam… Imaginei que alguns iriam discordar, outros comentarem com seu ponto de vista, mas sou um homem de fé no ser humano, e não queria ter lido o que li, porque acreditava que o blá-blá-blá de que somos evoluídos no bdsm e tolerantes para respeitar as vontades estranhas do vizinho, era minimamente verdade. E; eu estava enganado… Claro!

Seguiu-se uma mensagem atrás da outra, ridicularizando o fulano. E ao final eu dei minha opinião.

Apaguei o nome de todos os envolvidos, por razões óbvias. E faço um convite aqui, para sermos mais felizes, tolerantes, menos preconceituosos, mais amáveis, que ensinemos de graça, sem esperar algo em troca, só pelo prazer de ter um meio mais saudável e organizado, justo e decente. Pois odeio esse meio insalubre em que estamos nos últimos anos… É tanta merda que fico pensando se ainda há algo que se salve na “nova geração” de nós mesmos.

preconceito-e-exclusao-no-bdsm

Respeitar para sermos respeitados, vamos praticar?

Eu vivo o que eu digo, e você?

Agora uma musiquinha que gosto, que é bem o tapa na cara de preconceituosos assim. Ah! Você não precisa concordar comigo, e sabe o que penso sobre isso? FODA-SE! Darwin citou uma teoria que cuida de consertar isso ;)

https://www.youtube.com/watch?v=iNGFCf94emQ#t=04