Pandora box – one shot

Ah!, sempre gostei de pessoas que escrevessem bem, ou talvez as que escrevessem o que eu quero ler hahahaha, compartilho com vocês um presente que ganhei, e quem for autor de contos BDSM e quiser me enviar, será um prazer poder ler você também.

Pandora box – one shot

Da janela do apartamento era possível ver o fluxo de pessoas correndo em todas as direções. A organização do apartamento era conflitante com a imagem emoldurada pela janela à prova de ruído. Era como assistir o mundo de camarote.

Este era o sentimento, a vida estava sendo assistida de camarote. Era uma vida muito boa, cheia de conquistas e pessoas queridas. Entretanto faltava sentir-se viva. Sentia-se apenas bobinha, frívola e desprovida de emoção.

cavalete bdsm bondageOlhou no relógio, já era hora de seguir para o local marcado. Desceu até o lobby do hotel e tomou um táxi. Pediu ao motorista que a deixasse a algumas quadras do local. O bairro era escuro, muito diferente do centro da cidade, mas não hesitou. Andou por duas quadras e avistou o toldo azul da clínica veterinária. Ele estava lá, conforme combinado. Ele era alto e intimidador, era exatamente como ela imaginava que ele seria.

Um calafrio percorreu seu corpo, lembrando-a de que estava viva e aquela situação era completamente diferente de tudo que tinha vivido até ali. Lembrou do telefonema dado a Misstress e a rapidez com a qual encontrou o voluntário para aplicar a sessão de spanking. Particularmente, preferiria se fosse apenas um sádico mas a Domme explicou que seria impossível encontrar um em tão pouco tempo e principalmente com a condição de não haver sexo envolvido. O preço foi negociado e lá estava ele.
Com breves apresentações ele a encaminhou para dentro do clube e lá seguiu direto para o calabouço reservado.

No dungeon ele pediu que ela tirasse as roupas e as colocasse sobre uma cadeira. Assim ela o fez. Entretanto ele se aproximou e lhe falou ao ouvido que as roupas estavam muito mal dobradas e que deveria dobrá-las novamente e desta vez com mais cuidado.

Ela fez conforme ordenado, mas ao término ele a jogou no chão de joelhos. Ela sentiu suas bochechas corarem e seu coração disparar. Ele a puxou pelos cabelos e falou que a partir daquele instante ela nunca mais seria a mesma, que a alma dela seria tocada e que a puta que existia dentro dela iria berrar para sair. Naquele mesmo segundo sentiu como se uma corrente elétrica passasse em suas artérias e ela soube que todas as palavras se tornariam verdade.

Ele a arrastou e a posicionou em um cavalete, com as nádegas voltadas para cima. Anunciou que daria 32 chicotadas, pois ela havia sido muito má. Ao primeiro contato do chicote com a pele ela sentiu um misto de dor e prazer. Finalmente ela se sentiu completa. Encontrou o que tanto buscava. Lágrimas rolaram pela sua face. Eram lágrimas de rendição e alegria por finalmente ter encontrado seu lugar.
Ele perguntou se estava tudo bem e se podia prosseguir. Sem hesitar ela pediu que continuasse e assim ele o fez. Durante as chicotadas ela pediu para que ele aplicasse mais força, pois ela gostaria de saber até onde aguentaria. Mas ele falou que não faria, que iria poupá-la, que não tinha a intenção de machucá-la.

Após as chicotadas ele atou seus pés e mãos a uma cruz, prendeu grampos em seus mamilos e voltou a chicoteá-la. Ele tocou a intimidade dela que estava úmida e afirmou que realmente ela era uma puta.
Quando saiu do clube estava em êxtase. Sentia como se sua alma estivesse dividida. Uma parte havia ficado para trás e dado espaço a uma nova. Este novo pedaço ainda era pequeno, mas queria crescer e tomar conta e havia um grande buraco a ser preenchido. O mundo como o conhecia não existia mais. Era necessário tempo para entender tudo que havia acontecido e colocar no lugar todos os sentimentos. Entretanto, no fundo sabia que sua vida nunca mais seria morna. A partir de agora seria intensa.

por Xoxo

spanking BDSM

Regras e conduta no BDSM

É sempre muito complexa a iniciação no BDSM, justamente porque acha-se que há uma aura misteriosa por trás de tudo, e que as coisas têm um jeito diferente de funcionar, em comparação ao mundo baunilha. O fato é que as coisas são iguais, com alguns conceitos adicionados apenas. E sempre caio em alguma discussão a respeito, de pára-quedas… E li um post recheado de metáforas, e quem me acompanha sabe que adoro metáfora, então resolvi compartilhar… Pois ele diz um pouco sobre como as coisas são, de forma diferente, com outro olhar. Apesar de eu não gostar de futebol, talvez seja uma linguagem palatável para alguém aí do outro lado.

Segue:

“Eu prefiro jogar futebol trombando nos jogadores adversários, assim eles caem no chão e não me atrapalham.”

Longe de caracterizar apenas “uma opinião”, aqui temos o que poderíamos chamar de ignorância…

O BDSM? Não é diferente.

Forma mais fácil de se distinguir o que é uma opinião de alguém, do que é um conceito ignorante?

Conheça as regras do jogo buscando BOAS fontes. Vá na raiz. No início. Pesquise!!!!!!!!!!!!!!

Não caia em conceitos só porque “muitos os defendem”…
– Ou pode acabar recrutado para uma “torcida organizada”,
dessas que só servem para organizar brigas violentas umas com as outras, e achar que está vivenciando uma parte legítima e saudável do futebol.
Nem aceite ou acredite piamente em algo só porque um famoso, ou seu melhor amigo, disse… Ou ainda porque “apareceu em um vídeo”…
– Ou pode acabar cismando que concurso de embaixadinhas é jogo de futebol, que um jogador autêntico quebra paredes se der bons chutes e até que determinado time é melhor que os outros sem qualquer base técnica.

2 – Se alguém lhe afirmar que…
…”Em sua época, o pó de arroz fazia parte do uniforme?”…
…”Verdadeiros jogadores jogam descalços ou só usam nike?”…
…”Ninguém pode jogar futebol vestindo jeans?”…
…”Só pode jogar futebol quem achou sua vocação cedo nisso?”…
…”Ou ainda que só é jogador quem joga em copas e está na TV?”…
…”O único futebol de verdade é o que existe em clubes oficiais?”…
…”Futebol de verdade joga-se tranquilamente no playstation?”…
…”No futebol ou se é goleiro, ou se é técnico ou se é jogador?”…
…”Que todo jogador experiente é bom técnico por natureza?”…
…”Jogar com as mãos faz do futebol um esporte completo?”…

Lembre-se que:
-> Alguns costumes são locais e mudam com o tempo.
-> Há espaço para entusiasmo com opções e gostos pessoais.
-> Amadores, profissionais e novatos equipam-se diferente.
-> O gosto por algo nem sempre aparece cedo.
-> Futebol é lazer e esporte antes de ser competição e exibição.
-> E, claro, sendo esporte ou lazer indepente de associações.
-> Que um fâ de algo vai sempre idealizar ser aquilo ao máximo.
-> Na vida pessoas mudam, momentaneamente ou de vez e isso é normal.
-> Mas nem sempre antiguidade significa boa formação.
-> E sim… Futebol tem regras. Quando ignoradas? Deixa de ser futebol!

3 – Antes de entrar em uma batalha de opiniões?
Questione suas fontes E as dos demais.
Faça o possível pra VOCÊ estar de acordo com boas fontes antes de mais nada.
Por vezes? Sim…
Será você o equivocado na história.
(E quanto antes perceber isso, melhor.)
…Mas nem sempre há um certo ou um errado…
…E, quando há? Isso vem de algo que possa ser provado.
(E aí parabéns se você for o lúcido e esclarecido.)

Dica óbvia? Preste atenção em detalhes.

No BDSM, é comum haverem fontes de qualidade duvidosa sendo referenciadas só porque são as mais acessíveis, conhecidas ou ainda por apregoarem que são as corretas sem qualquer base.
– Sejam CRITERIOSOS com suas fontes.
Também é comum o BDSM ser usado como pretexto, por quem tem segundas intenções, desviando-se de seu objetivo (o KINK mútuo, consentido e responsável).
– Tal e qual também fazem com o futebol as vezes. NADA está livre disso.
E “quem anda com porcos, farelo come”…
O ser humano é muito vulnerável à aceitar um “falso dogma” por estar emocionalmente ligado à quem apregoa determinada coisa.
Ou ainda por considerar aquilo uma identidade de grupo.
– Isso pode acontecer comigo, contigo e qualquer outro que não se policie. E se acontecer? Isso se torna obstáculo à evolução do praticante.

De resto? FIQUEM ESPERTOS!

Texto de Don Marco Alighieri

O post não é meu, como expliquei no início.

Ladrão tenta assaltar cabeleireira, mas é dominado e vira escravo sexual

Ladrão na Rússia tenta assaltar e vira escravo sexual… Ãh?

É trash a notícia, e por isso está na tag de piadas, chega a ser engraçado de tão tosco…

Eu recebi essa notícia por e-mail, como sugestão de post, e apesar de achar engraçado algo assim, creio que eu precise mesmo postar e comentar.

Mantive o texto ruim, porque não sei se dá para melhorar a coisa, e minha opinião vai logo abaixo.

cabeleileira russa faz ladrão escravo sexual

Ladrão tenta assaltar cabeleireira, mas é dominado e vira escravo sexual

Viktor Jasinski, de 32 anos, invadiu um salão de beleza na Rússia, para fazer a limpa e foi surpreendido ao encontrar uma cabeleireira taradinha, faixa preta de karatê.

Olga Zajac, de 28 anos resolveu dar uma “boa lição” no ladrão, fazendo sexo com o rapaz por inúmeras horas.

Depois de ser feito como escravo sexual durante TRÊS DIAS, Jasinski foi solto e saiu do salão direto para o hospital, pois estava com os testículos inchados.

O rapaz ainda teve a cara de pau de ir à polícia prestar queixa contra a cabeleireira, alegando que foi mantido preso por um par de algemas de pelúcia cor de rosa. Pode isso?

Viktor disse que ela também o forçou a tomar Viagra.

Olga admitiu que fez sexo com o ladrão algumas vezes, mas destacou que lhe deu “comida” e até um dinheirinho.

Ambos foram presos.

Fonte: http://topassada.virgula.uol.com.br/2013/10/08/ladrao-tenta-assaltar-cabeleireira-mas-e-dominado-e-vira-escravo-sexual/

Agora minha opinião…

Isso não tem nada a ver com BDSM, é simples, o BDSM é CONSENSUAL, se não há vontade das partes envolvidas, não rola. Simples assim, nada mais a dizer a respeito.

Preconceito e exclusão no BDSM

Preconceito no BDSM: Um tiro no pé!

Mais respeito por favor!

diferenteEu sou um defensor ferrenho da causa BDSM sem preconceitos, justamente porque grupos como o nosso, sofrem preconceito e são estigmatizados justamente por não serem entendidos, ou por intolerância, ou simplesmente burrice mesmo, de quem os exclui.

Mas é impressionante a avalanche de babacas que põe fogo nas coisas e querem ver tudo arder, e depois eles reclamam que são vítimas de preconceito. Levantando uma bandeira de que “Nós BDSMers somos vítimas de preconceito mas somos super liberais, cabeça-aberta e blá-blá-bla” Acontece que esse mesmo povo, faz banca para apedrejar o primeiro que tiver alguma prática que eles não conheçam, ou que simplesmente não concordem… Se eles acham a prática estranha ou que “não se classifica no BDSM”, eles crucificam a pessoa que citá-la.

É curioso que a Teoria das Janelas Quebradas se aplique com tanta frequência, em tantos lugares… Se quiser saber do que eu estou falando, clique aqui e veja outro post meu a respeito.

Participei de uma crucificação dessas, vou explicar e em seguida copio abaixo o printscreen que fiz da crucificação no Facebook.

Todos que me acompanham, sabem que sou adverso à dominação virtual, pois sempre exponho minha opinião a respeito disso. Mas não critico ninguém que curta isso, e em dado momento, até resolvi perguntar para “dominadores” e “submissos/as” que curtem a “prática”, mas não me convenci de que isso seja algo válido pra mim. Ok para quem quer brincar de jogo bdsm virtual, mas pra mim isso não existe. Justamente porque posso ditar tarefas ou ordens à minha sub por telefone, e-mail ou whatsapp, mas ela já tem uma relação real comigo. Agora; ter uma “relação virtual” com alguém e ditar regras e tarefas é só engraçado pra mim, motivo de piada. MAS… veja bem, eu não exponho ninguém, nem acho que isso seja saudável.

Então, o sujeito escreve no Facebook que quer uma submissa para humilhá-la no whatsapp! Eu acho engraçado, mas não critico-o… E resolvo investir meu tempo para ler o que comentam… Imaginei que alguns iriam discordar, outros comentarem com seu ponto de vista, mas sou um homem de fé no ser humano, e não queria ter lido o que li, porque acreditava que o blá-blá-blá de que somos evoluídos no bdsm e tolerantes para respeitar as vontades estranhas do vizinho, era minimamente verdade. E; eu estava enganado… Claro!

Seguiu-se uma mensagem atrás da outra, ridicularizando o fulano. E ao final eu dei minha opinião.

Apaguei o nome de todos os envolvidos, por razões óbvias. E faço um convite aqui, para sermos mais felizes, tolerantes, menos preconceituosos, mais amáveis, que ensinemos de graça, sem esperar algo em troca, só pelo prazer de ter um meio mais saudável e organizado, justo e decente. Pois odeio esse meio insalubre em que estamos nos últimos anos… É tanta merda que fico pensando se ainda há algo que se salve na “nova geração” de nós mesmos.

preconceito-e-exclusao-no-bdsm

Respeitar para sermos respeitados, vamos praticar?

Eu vivo o que eu digo, e você?

Agora uma musiquinha que gosto, que é bem o tapa na cara de preconceituosos assim. Ah! Você não precisa concordar comigo, e sabe o que penso sobre isso? FODA-SE! Darwin citou uma teoria que cuida de consertar isso ;)

https://www.youtube.com/watch?v=iNGFCf94emQ#t=04

Violência contra a mulher

Violência doméstica NÃO é BDSM

Tenho visto muito barulho acerca de uma questão: -Uma feminista pode ser submissa? Mesmo lutando pela igualdade?

Acho tão óbvia a resposta que fica até difícil discutir a respeito, afinal, o feminismo não busca a igualdade no aspecto em que o BDSM está inserido, mas no âmbito social. Posso abrir aqui, espaço para discutirmos o assunto se houver adesão e necessidade. Mas, junto com isso, há uma outra onda com as campanhas contra a violência com a mulher, que também nada tem a ver com uma surra que uma submissa pode levar de seu dominador. Mas, apenas para engrossar o caldo, segue um vídeo de uma dessas campanhas, para refletir. Acho que nem precisamos discutir muito o assunto, uma vez que para ser um praticante do BDSM é preciso ser um pouco mais aberto às coisas e esclarecido também, e eu espero mesmo que você seja assim…  Então reflexão já é suficiente.

Sou BDSMer, e sou ABSOLUTAMENTE CONTRA a violência, seja contra a mulher, crianças, animais, enfim, de forma generalizada.

 

Spanking com responsabilidade

Cuidados com o spanking

No BDSM, entender o que é o SSC ou RACK e seguí-los não é suficiente para estar seguro de fato.

Encontrei um gráfico descritivo que demonstra exatamente a preocupação de pessoas que praticam séria e restritamente o SSC, e vale entender que exceções à esse tipo de prática não podem existir, uma vez que é a saúde e segurança que fica em jogo. Se você tiver algo a respeito dos cuidados com quaisquer práticas no BDSM, mesmo que em outro idioma, e quiser compartilhar, a comunidade BDSM agradece ;)

Clique para ver a versão maior, e conseguir ler as legendas…

cuidados com o spanking bdsm

IMPORTANTE – Estupro consensual

Estupro consensual é prática BDSM?

Às vezes vimos um ou outro vídeo ou relato na web, com o estupro. E é preciso ter plena consciência de que se não for uma prática consentida,  é sim um crime. E como praticar estupro consentido? Ah! há meios para tal, mas preciso de mais tempo do que tenho neste momento para lançar um debate a respeito, e dar minha opinião.

Em síntese, é possível sim, é excitante sim, dá para fazer tudo baseado em SSC e somente neste caso, não é crime. Se você se excita com o estupro que não é consensual, cuidado, você está deturpando as coisas e precisa de ajuda médica, pois a violência que não está dentro dos parâmetros do SSC, é crime e pode também ser vista como doença.

Há um americano que está vindo pro Brasil ao final deste mês, que incentiva a cultura do estupro, e precisamos expurgar esse tipo de atividade, por isso foi lançada uma campanha com abaixo-assinado para impedir que ele venha ao Brasil, é preciso agir rápido, divulgar e assinar, é simples de se fazer, e é um dever cívico nosso, se você quiser ler a respeito e participar, o link da notícia que contém o link para participar do abaixo-assinado no Avaaz é: https://catracalivre.com.br/geral/cidadania/indicacao/abaixo-assinado-quer-proibir-vinda-ao-brasil-de-norte-americano-que-ensina-como-pegar-mulher/

[Poesia nada BDSM] palavras

Da importância de se expressar bem, ou ao menos fazer-se entender

Eu sempre me encantei por palavras, e sempre dei muita importância a elas, como uma flecha lançada, ela sempre atingirá o alvo, mesmo que o estrago seja grande, ou seja uma caça, onde o fim é positivo e necessário, mas ela nunca volta, nem para no meio do caminho, palavras têm o poder de acalentar ou de castigar, humilhar ou bendizer… gosto delas. E vim compartilhar com vocês algumas que tive contato hoje e gostei.

as palavras

“Sempre amei por palavras muito mais
do que devia

são um perigo
as palavras

quando as soltamos já não há
regresso possível
ninguém pode não dizer o que já disse
apenas esquecer e o esquecimento acredita
é a mais lenta das feridas mortais
espalha-se insidiosamente pelo nosso corpo
e vai cortando a pele como se um barco
nos atravessasse de madrugada

e de repente acordamos um dia
desprevenidos e completamente
indefesos

um perigo
as palavras

mesmo agora
aparentemente tão tranquilas
neste claro momento em que as deixo em desalinho
sacudindo o pó dos velhos dias
sobre a cama em que te espero”

Alice Vieira

Nível de dor no spanking, de acordo com acessório

Nível de dor do spanking

Esta é uma tabela interessante que encontrei, que descreve a dor causada por cada tipo de acessório, no spanking.

Eu prefiro o uso de mãos, cane de bambu e algo que gosto pela rigidez X flexibilidade e peso, é o bastão de cola quente… isso mesmo! rs funciona muito bem como cane.

Alguém aí tem comentários sobre isso? o que usam, o que dói mais, se a tabela reflete o que sentem em sua experiência?

Clicando na imagem você a verá em tamanho maior.

acessórios X dor no spanking

 

 

Dúvidas frequentes sobre BDSM e poligamia

irmas de coleira bdsm

Poligamia no BDSM

Frequentemente alguém me pergunta sobre poligamia no bdsm, vou listar abaixo algumas perguntas que recebi e minhas respostas a respeito, devem dar algum norte a alguém mais…

>>>>

Vi em um dos seus comentários você dizer que já teve relacionamentos D/s por anos com mesma pessoa.

  • Quando dura por tanto tempo, um Dom tem mais de uma sub nesse período ou é fiel a somente uma? 
  • Às vezes sim, um dom tem mais de uma sub, no meu caso eu tive, e minha sub alpha sabia, em alguns casos até participava de sessões com a irmã de coleira, mas a profundidade da relação com as outras era diferente, e não tem nada a ver com fidelidade, este é outro conceito.
  • Quando dura por tanto tempo, um Dom tem mais de uma sub nesse período ou é fiel a somente uma? E no caso da sub também é fiel em ter somente um Dom?
  • Em geral os dominadores são polígamos, e as submissas não. Mas não há uma regra para isso, depende do dominador agir assim ou assado. E sobre fidelidade, se a submissa por exemplo diz que é exclusiva mas mente pro seu dono, ela é infiel, mas isso é exatamente igual ao meio baunilha, obviamente isso se aplica ao dom, se ele não é claro a respeito do que faz, talvez ele nem mereça a confiança da sua sub.

  • Ou em relação ao BDSM só existe fidelidade entre D/s, mas tanto um quanto o outro tem relacionamentos baunilhas?
  • Em relação ao BDSM, algumas pessoas consideram o BDSM com algo adicional em suas vidas, essas pessoas em geral têm relações paralelas, baunilha; mas isso não e uma regra BDSM, o BDSM não possui regras, possui um conjunto de conceitos muito simples e básicos, que se seguidos permitem que se viva relações com um perfil BDSM claro e viável.

  • Como é a exclusividade no meio?
  • A exclusividade no BDSM existe, eu conheço alguns casais que mantém exclusividade há muitos anos, e ela acontece do lado submisso sempre, do lado dominante às vezes, dos dois lados às vezes, e é viável, mas muito limitadora e na minha opinião, restritiva, tira uma característica importante e clara do dominador, que é a liberdade de decisão, e acredite; os dominadores, assim como os homens, o contrário das mulheres, têm natureza polígama, isso seria anti-natural. Mas a exclusividade existe em alguns casos, onde as relações são “mistas” com BDSM e baunilha… e nesses casos, as relações tendem a ter um limite de profundidade, mas são viáveis sim.