Dominação Ideológica

Dominação Ideológica

A dominação ideológica é algo usado também no BDSM, e como eu gosto muito de filosofia, acabo sempre esbarrando em conteúdo que corrobora com o que penso, ou vivo no BDSM.

Importante deixar claro que não trata-se de uma prática BDSM, e que o exemplo mostrado aqui, só tem o intuito de fazer você pensar, não de ditar que exista algo assim, definido como prática do meio BDSM, ou que seja certo ou errado. Inclusive, quem me acompanha, já deve ter percebido que eu acho o certo x errado um conceito muito relativo. Mas sem mais delongas, aqui vai um conteúdo que eu gosto muito pelas definições claras e diretas que o Clóvis de Barros possui, e achei relevante compartilhar.  Note que é um conceito marxista, mas que se você parar para pensar, boa parte dele irá se aplicar a uma série de perfis de dominação.

Para quem não quiser ver desde a introdução  contexto (vale a pena), pule direto para 6 minutos e cinco segundos:

https://vimeo.com/220793578

Mas resumidamente, a dominação ideológica tem a ver com fazer o outro acreditar de tal forma num ideal, que ele passa por situações adversas, de forma satisfeita, sem se abalar… Porque ele acredita de fato que ele está ali porque DEVE estar lá… É como se a pessoa aceitasse algo porque culturalmente aquilo foi incutido na cabeça dele. E a pessoa não vê injustiça, defende ideal que não é dele, sem entender porque, de forma cega. E no BDSM, há dominadores mal-intencionados que conhecem de dominação psicológica e de dominação ideológica (que não é uma prática), e acabam fazendo pessoas virarem robôs!

Fragmentos dos meus devaneios: Sobre empréstimo

Sobre empréstimo no BDSM

O empréstimo de escravas não é muito comum no BDSM, apesar de afirmarem o contrário

Digo isso porque algumas pessoas afirmam que são liberais e que fazem o empréstimo das suas subs, ou bottoms, na minha opinião, com o intuito de não estabelecer vínculos mais fortes e gerar afeto na relação com o bottom.

Que fique claro que não estou falando de menage*, isso é outro assunto.

emprestimo-de-escrava

Empréstimo é algo que é feito com escravas especificamente, subs (requer envolvimento maior, algo afetivo), em geral não são emprestadas, elas podem ter contato com baunilhas (para os doms liberais, como eu), mas não terão contato/sessões com tops. Pois dom é único… Só ele domina. Eventualmente dominadores levam suas subs para experiências com bondagistas (fetichistas), ou sádicos (quando o dom não oferece a experiência que o sádico propõe, como uma técnica específica com agulhas por exemplo), mas pela lógica do empréstimo, em geral é só o sádico mesmo que faz isso…

Para ter humilhação, algo como o public disgrace, degradação, esse tipo de coisa, como elemento principal. Quando um dom faz empréstimo da sua sub (na minha opinião, pois isso não é generalizado), ele tem envolvimento superficial com ela. Aí ela seria uma “avulsa”, por conta das sessões esporádicas e sem qualquer compromisso das partes, nem da sub.

Vantagem do empréstimo: Se as partes envolvidas procuram experiências em quantidade, essa é uma boa forma de conseguí-las.

Desvantagem: relações superficiais e limitadas, sem entendimento real e seguro dos limites do bottom, o que significa risco a TODOS os envolvidos. Além de confundir a linha conceitual de dominação de cada top. Pois a sub seria conduzida de formas diferentes simultaneamente. Isso é quase garantido: Prejuízo psíquico do bottom (se houver uma relação D/s de verdade, e não for avulsa).

Eu sempre fico pensando sobre coisas e Às vezes escrevo algo, que vez ou outra consigo um tempinho para vir compartilhar. Seria interessante que houvesse comentários, com opiniões divergentes e à favor, porque acredito que só assim podemos abrir a cabeça para novas ideias e pontos de vista, que tal participar?

Uma submissa gostosa que busca relação séria?

Submissa gostosa, com foto… Procura relacionamento sério com DOM que seja sério (e não pense só em sexo) oi?!

 

Sempre refleti sobre isso… É uma vitrine de açougue

E depois reclamamos que o meio bdsm é sempre invadido por pessoas que procuram apenas sexo fácil, que não têm profundidade alguma e que não pensam em relacionamentos, mas em relações sexuais…

Pense comigo (se você é uma submissa que tem fotos de nudes suas ou mesmo de coisas que você fantasia e/ou goste, não se ofenda, não é uma provocação ou crítica, é uma orientação que parte da minha exclusiva opinião):

Vamos lá, vamos montar o cenário, você é uma submissa linda, gostosa, fotogênica, criativa, inteligente e interessante, que tem certa experiência no BDSM, tem disponibilidade para viajar e é a mulher perfeita para casar, com tantos atributos e disponibilidade, além da disposição… (e só um adendo, essa submissa existe, aos montes… Eu mesmo casei-me com uma assim.) Mas voltando ao assunto…

Aí o texto do seu anúncio está assim:

Submissa procura dominador sério, que tenha entre x e y de idade, more na cidade tal e busque submissa de alma, para relação profunda e séria. Com envolvimento e baseada no SSC ou RACK.

E a foto de chamada do seu anúncio é essa abaixo (tirei da internet, alguma foto famosa)

gostosa-de-costsas gostosa-turbinada

Agora vem a análise, pense:

Um dom sério, de respeito, que não busque apenas sexo, que é muito confundido com a temática bdsm, busca alguém que não se exponha, que seja como ele. E você não gostaria de ver fotos dele com o pau na mão, apesar de gostar de nudes, você iria preferir ver se o dominador tem mesmo a ver contigo, e isso o aproximaria de você, e só então uma outra parte da história (que também é muito relevante), vem à tona: Que é a aparência física e o conteúdo mais ligado ao sexo…

Então, quem acompanha meu blog já sabe que eu bato muito nesta tecla: não coloque fotos que não condizem com o seu discurso. Mesmo que você tenha um corpo maravilhoso, ele não pode ser o chamariz, senão vai aparecer muitos pretendentes, mas todos eles afim de te comer, e dificilmente nessa turma toda, você vai identificar ou mesmo ter saco de selecionar o dominador que vale a pena conversar. Pois todos só querem saber o tamanho da sua bunda e se os seus peitos são de silicone.

Não sei se me fiz entender, mas vejo esses anúncios como uma verdadeira vitrine de açougue, e se você busca sexo sem enrolação, ok, isso funciona demais… Mas se você busca alguém para ter uma relação que valha a pena, esse é só o terceiro passo no processo, as fotos são secundárias e não são elas que deveriam chamar a atenção da pessoa para que ela fizesse contato, mas um anúncio detalhado, direto e sem mensagens subliminares… Tudo precisaria estar muito claro e objetivo.

Então pense, o seu perfil público ou mesmo pros amigos, condiz com sua busca?

Se você quer algo mais do que só sexo, não ofereça o que vai induzir a pessoa a pensar só em sexo!

As pessoas fantasiam muito quando pensam em BDSM, e acham que é um mundo paralelo, e só porque é mais liberal, que cabe fazer essas exposições…

Dê sua opinião!

Submissas BRAT?

submissa-brat

Submissas BRATS

Brats são confundidas com submissas que em muitos casos (na minha opinião) abusam da posição delas e perdem noção de seu próprio tempo e espaço. E por essa razão, eu sou um dos muitos dominadores que querem distância de brats, não é uma unanimidade, claro; mas a maioria dos doms que conheci e conversei, não curtem o comportamento brat. E para encontrar algo que ilustre o perfil da brat, eu pedi autorização de reprodução de um artigo que vi no Facebook e foi gentilmente cedido pela autora Aurora Lopes. A questão principal da conquista é justamente onde alguns Tops discordam do conceito, mas vale a leitura e reflexão:

BRATS

O que se pode dizer sobre isso… Prazer ou desafio?

O que será que significa essa palavra, talvez seja algum jogo.

Tema pouco comentado, talvez um pouco polêmico, talvez mais ainda ,um pouco ignorado.

Como tudo no BDSM, há os que aprovam e os que desaprovam totalmente.

SUBMISSOS BRATS…

O tema instiga nossa curiosidade, afinal, quem são eles… OS BRATS

Falando assim parece até que são de outro mundo, mais são submissos normais, apenas apresentam algumas condições especiais.

Alguns Dominadores apreciam muito, já outros rejeitam totalmente.

Mais para os que apreciam, torna-se um excitante e prazeroso desafio…

É um assunto bem complexo, mais vou tentar ser o mais clara possível.

Os Brats são submissos , embora sejam difíceis de serem controlados, por isso não são aceitos por muitos Dominadores, são impulsivos, resistentes a maioria dos comandos, isso os torna desafiadores e rebeldes na visão de Doms e Dommes. Por isso quase sempre são afastados por eles. Essa rebeldia torna seu caráter questionável , e para a maioria dos Dominadores , o caráter é essencial.

Para um Dominador é muito frustrante saber que não consegue controlar um submisso,por isso preferem ignorá-los e se afastam.

Mais para alguns Doms extremamente sádicos, isso se torna um desafio aceitável e muito interessante.

Há quem diga que os Brats não são submissos, apenas possuem alguns comportamentos que se identificam com a submissão, mais se seu comportamento for bem trabalhado por um Dominador de garra, autoridade, sabedoria e disciplina exemplares. e acima de tudo muita paciência, sua submissão pode vir a tona.

E claro também depende de um fator muito importante, talvez o mais importante de todos. A capacidade de entrega do submisso.

Na verdade acho que todos os submissos alguma vez se comportaram como Brats, quem nunca se rebelou ou teimou com se Dono. Resistiu a uma ordem, questionou alguma coisa.

Talvez um Brat goste de chamar atenção, como um adolescente que desobedece aos pais, questiona suas ordens, responde aos professores, enfim, tem um temperamento imaturo. Um temperamento forte e luta para ter suas vontades atendidas e não o contrário.

Precisa de um Dominador de pulso firme e seguro de si mesmo, mais ao mesmo tempo, precisa de um Dominador que seja compreensivo, calmo e que o entenda.Entenda seu comportamento sem acusações.
Mais é importante que fique claro que o Brat tem o desejo de servir, ele só não consegue obedecer a voz de comando de seu Senhor sem desafiá-lo ou questioná-lo antes. Não consegue enxergar com clareza o caminho da submissão. Para eles tudo deve ser questionado primeiro.

O Brat tem a necessidade de ser protegido, guiado, como crianças indefesas. E isso atrai alguns

Dominadores, para falar a verdade, é um desafio e tanto…

Um Brat é curioso ao extremo, sempre quer saber o porquê de tudo, gosta de questionar,não vai se submeter sem entender ou argumentar.

Eles não conseguem simplesmente aceitar a ordem só por aceitar, e isso vai gerar discussões e descontentamentos. Justamente como um adolescente faria.

Primeiro vem as perguntas, depois os argumentos e por fim os obstáculos. Sempre haverá uma dificuldade ou um motivo para não obedecer.

O Dominador tem que ter muita sabedoria e jogo de cintura para dominá-lo, é uma verdadeira prova para sua Dominação.

Se o Dominador souber como adestrá-lo, ele vai acabar por se dobrar, se submeter e isso será uma grande vitória para o Dominador.

A essência predominante dentro de uma sessão entre um Dominador e um Brat, é puramente a CONQUISTA.

Um Dominador tem que ter em mente que a força não é o caminho, falar duro , bater o pé, nada disso resolve. O caminho é a paciência e a sabedoria. Isso o fará seguir o comando de seu Senhor…
Pode-se dizer também que o Brat, pode desobedecer simplesmente para receber um castigo , seja físico ou psicológico, gostam de chamar atenção e sentir que são o centro dela. Se sentirem amados , cuidados, e protegidos.

Existem Dominadores que gostam de possuir feras, bom eu diria que Brats, podem ser facilmente comparados a feras que aparentemente, podem ser indomáveis.

Há Dominadores que gostam de serem desafiados, e uma cena entre um Dominador Sádico e um Brat masoquista pode ser muito interessante e extremamente excitante.

O gosto do desafio instiga o dominador e isso automaticamente liberta a rebeldia do Brat.

É um jogo de conquista, um tentando conquistar o outro, sempre assim. A resistência ao domínio e a entrega do Brat e o instinto de dominação do Dom. Isso é o que mantém os dois juntos.

Um Dominador que se sente atraído pela rebeldia , vai se sentir cada vez mais motivado pela resistência do submisso. A busca pelo poder do Dom e a luta pelo desafio do Brat.

Mais o desafio maior do Brat é feito a si mesmo. O desafio de confiar e se entregar a seu Senhor e conquistar uma relação sólida, baseada na confiança de ambos.

Mais ao mesmo tempo que o Brat pode se tornar um desafio prazeroso, pode também se transformar em frustração, porque um Dom quer suas ordens cumpridas, sem explicações dadas, ou motivos para elas, não quer uma troca, ou um debate. Você me deixa feliz e eu te deixo feliz.

Isso pode se tornar cansativo.

Bom , mais como tudo no BDSM, isso depende da essência de cada um.
Uns gostam de desafios, outros não…
Uns são pacientes,outros não…
Uns gostam da submissão total, outros de um pouco de resistência e emoção…
Um Brat não consegue se entregar de forma incondicional, sempre vai haver perguntas, mais isso pode ser trabalhado, e depende tanto do submisso quanto do Dominador.

É um trabalho em conjunto, o Brat precisa aprender a confiar em seu Senhor, superar o medo de falhar, deixar de ficar sempre na defensiva. Isso pode privá-lo de prazeres e sensações.

Aprender a dar para poder receber, mais cientes de que são seus Senhores que ditam as regras e não o contrário.

Uma relação Dom/brat pode ser muito prazerosa desde que um aceite o jeito de ser do outro, sabendo que se pode superar obstáculos e quebrar barreiras.

Não é necessário se fazer uma lavagem cerebral, apenas amor e paciência para as mudanças começarem a acontecer.

Mais devem saber que o que mantém os dois juntos Dom/brat é justamente essa tensão diária.

A rebeldia, teimosia e até desobediência de um Brat não o torna menos submisso.

É tão submisso como qualquer outro, só demonstra isso de forma diferente, sua submissão ainda está escondida e precisa se libertar, e isso de certa forma o torna seguro contra abusos.

Há quem diga que o Brat gosta de comandar, mais isso não é verdade, senão ele seria um Dominador.

O que ele gosta mesmo é da emoção do desafio, de ser vencido, de ser conquistado como um troféu.

Autora: Aurora Lopes

original: https://www.facebook.com/pageconfissoesdeumasubmissa/posts/1600526100195055:0?__mref=message

Já abraçou seu demônio hoje?

ja-abracou-seu-demonio-hojeJá abraçou seu demônio hoje?

Sobre o despertar…

“Não há despertar de consciências sem dor. As pessoas farão de tudo, chegando aos limites do absurdo para evitar enfrentar a sua própria alma. Ninguém se torna iluminado por imaginar figuras de luz, mas sim por tornar consciente a escuridão”. Carl Jung

E esse mesmo cara falou isso, sobre o masoquismo:

“Masoquismo é uma arte em que o indivíduo se mantém em extremidade oposicionista. O masoquista vê-se a viver – aparenta viver – in extremis, no limiar do perigo, insanidade, morte. O prazer de um masoquista é extremamente doloroso e a sua dor, extremamente prazerosa. Frequentemente, sentimentos opostos como orgulho e humilhação estão presentes em simultâneo, ambos dolorosos, ambos prazerosos. No seio de tanta extremidade emocional, a necessidade e alimentação do compulso masoquista é claramente, em si, parte da tortura e do prazer. Existe orgulho nesta extremidade, em conseguir manter esta oposição impossível sem quebrar. É um extremo orgulho, um orgulho de extremidade, de ir ao extremo e sobreviver. É um orgulho de proporções prometeicas.”

Entrevista BDSM – Heitor Werneck do Projeto Luxúria

Entrevista BDSM decente

Quem já leu algo dos meus posts, percebeu que eu sou crítico e desbocado. E valorizo muito as pessoas que tive a sorte de conhecer, que têm postura, caráter e espírito de colaboração.

Heitor Werneck é um desses caras… Ele produz o Projeto Luxúria, é conhecido no meio, mas acima de tudo, é uma pessoa que vale a pena sentar do lado e bater um papo, seja profundo ou superficial, sobre BDSM e pessoas. Sim, pessoas… Porque entender melhor o BDSM, depende absolutamente de seu olhar sobre as pessoas.

Abaixo o vídeo com duas partes da entrevista do TV Luxúria, que recomendo assistir. Este é com a Hot Mahara, uma Domme profissional.

Desfrute e compartilhe, e mais importante: Deixe sua opinião também!

https://www.youtube.com/watch?v=rc0ei3zutk4

https://www.youtube.com/watch?v=FluLkthjGFE

https://www.youtube.com/watch?v=qRQ3wMeylT8

 

Baba Yaga – filme decepcionante

Mais um filme BDSM completo, para assistir on-line (mas não recomendo, não perca seu tempo)

Ontem assisti com a Flames a esse filme, é baseado numa lenda eslava:

“Baba Yaga é o arquétipo da bruxa eslava presente no folclore russo e de todo Leste Europeu. Ela é um personagem muito mais profunda e intrincada do que as bruxas presentes nos mitos da Europa Ocidental, uma figura que inspira sentimentos contraditórios de medo, respeito e esperança.

Seu nome é um testemunho de sua identidade, assim como as muitas lendas que a cercam. O termo russo “Baba” é geralmente considerado ofensivo entre os eslavos. Ele serve para designar um tipo de mulher vingativa, que vive reclamando, que é grosseiramente desgrenhada, uma verdadeira matrona que jamais casou ou foi realmente amada ao longo de sua existência. Seria o equivalente a uma solteirona, uma velha que é consumida pela inveja de todos que são felizes e que vai se tornando cada vez mais amarga, perversa e cruel com o passar dos anos. “Yaga” é mais frequentemente traduzido como “bruxa”, mas tem vários outros significados, como “feiticeira”, “malvada”, “traiçoeira” e até “serpente”, algumas vezes a palavra também é usada para descrever uma situação de perigo, de medo ou até de fúria.”

leia mais sobre a lenda em http://mundotentacular.blogspot.com.br/2014/05/a-lenda-de-baba-yaga-mais-temida-das.html

Mas, só vim escrever sobre ele porque quem diz que ele é BDSM mente, ou não assistiu… é uma porcaria!

Eu não tenho muito a falar dele, mas como haviam me indicado como um filme BDSM, cult, intenso, legal… e eu não concordo em nada com esses comentários, achei legal vir dar minha opinião sobre ele. Definitivamente ele não é um filme BDSM; a não ser a boneca que aparece com umas tiras de couro e um chicote que é usado em alguns segundos de filme, ele definitivamente não é um filme BDSM, não se engane.

E pior, na minha opinião, nada de salva nele… Talvez ele seja cult demais pro meu gosto. Mas enfim, se alguém gostar, e quiser comentar… Ou mesmo assim quiser assistir, o filme está completo on-line no link abaixo. Não gostei!

[box type=”warning”]  Para assistir esse filme, você precisa ser um usuário cadastrado, por ser conteúdo restrito. É rápido, você se cadastra e e confirma clicando num link em seu e-mail e pronto….[/box]

[protected]Para assistir diretamente no Vimeo o link é: https://vimeo.com/153975743 e a senha é: draconiano [/protected]

Ou se preferir, basta digitar a senha no vídeo abaixo e você assiste aqui mesmo… tem opção de tela cheia inclusive.

https://vimeo.com/153975743

Ano de produção: 1973

Esse é tão ruim, mas tão ruim que não merece nem uma capa e sinopse aqui. É um terrozinho barato e mal feito, dos anos 70.

E fico puto com essa mania de “adeptos do meio” acharem o máximo assistir ou falar dessas merdas de filmes e livros “cults” e associar essas coisas bizarras e estranhas ao BDSM, que mania de inventar que as coisas nonsense são legais! PQP!

Taí meu quinhão.

Filme BDSM – A Pele de Vênus

A-PELE-DE-VENUS-2013

Mais um filme BDSM completo, para assistir on-line

Ontem assisti com a Flames a esse filme, é baseado na obra de Sacher Masoch, e tem a pegada romântica/erótica que ele sabia imprimir nas suas obras. Vou assistir novamente a Vênus das Peles, que é diferente deste.

Eu gostei, é intenso, confuso (Polanski) e direto.

Um filme BDSM sem putaria, sem preconceitos tolos comuns dos filmes com a temática, com uma dose legal de erotismo e profundidade suficiente para entreter. Tem um quê de poesia, como quem lê Masoch, provavelmente já viu…

Gostei!

[box type=”warning”]  Para assistir esse filme, você precisa ser um usuário cadastrado, por ser conteúdo restrito. É rápido, você se cadastra e e confirma clicando num link em seu e-mail e pronto….[/box]

[protected]Para assistir diretamente no Vimeo o link é: https://vimeo.com/153773124 e a senha é: draconiano [/protected]

Ou se preferir, basta digitar a senha no vídeo abaixo e você assiste aqui mesmo… tem opção de tela cheia inclusive.

https://vimeo.com/153773124

Trecho do “Adoro Cinema”:

Ano de produção: 2013

A trama gira em torno de Vanda (Emmanuelle Seigner), atriz que se esforça para convencer o diretor Thomas (Mathieu Amalric) de que ela é a pessoa ideal para interpretar a protagonista de sua mais nova peça, inspirada em obra de Sacher Masoch.

Numa Paris chuvosa, o espectador adentra um teatro vazio para se deparar com uma figura solitária, que parece terminar de se arrumar para deixar o lugar. Eis que chega uma mulher atrasada para um teste, que insiste para o profissional deixá-la encenar o texto preparado. Este é o ponto de partida de A Pele de Vênus.

Trailerhttps://www.youtube.com/watch?v=M6PDw3Z83ds

Filme BDSM Venus-in-fur

 

Rape play

rape-playRape play é uma prática de estupro consentido

Há alguns anos eu me interesso por práticas e comportamentos que são um tanto difíceis de se entender à primeira vista. O estupro consensual é uma dessas… E já a pratiquei algumas vezes, por eu gostar de blind date, o rape play acaba trazendo elementos muito parecidos e anda em paralelo com a prática.

É preciso antes de tudo deixar claro que é uma prática CONSENSUAL, não é um estupro real, nada é feito contra a vontade das partes envolvidas.

Eu sempre tenho conteúdo guardado para publicar, poemas, fotos, filmes, vídeos, artigos, mas minha falta de tempo acaba adiando isso. Há alguns anos eu li um post no Orkut, exatamente sobre o rape play, que com uma visão de leigo, explica superficialmente, mas pode servir para abrir uma discussão calorosa a respeito do tema.

Segue na íntegra:

>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>

Por: Isy Sousa (10 de novembro de 2014)

Você sabe o que é Estupro Consensual?

Que Estupro é hediondo eu NÃO TENHO A MENOR DÚVIDA, mas também sei que muitas mulheres têm essa fantasia, que nesse caso é o “estupro consensual”.

Tem uma comunidade no orkut onde alguns participantes dão a sua opinião do que vem a ser essa prática: “Pelo que entendemos é um falso estupro, combinado entre as partes, e desempenharem seus papeis como se fosse verdadeiro”. “É O Faz DE CONTA DE UM ESTUPRO SÓ QUE COM PERMISSÃO”.

Na minha opinião é mais uma das fantasias que envolvem o sexo e embora muita gente não entenda…Bom, eu também não entendo ainda muitas coisas e nem por isso elas deixam de existir…E de serem reais.

Se o estupro é uma violência traumatizante pra uma mulher, porque o estupro consensual dá prazer? Porque o cérebro sabe que é UMA FANTASIA, uma situação simulada que não tem comparação com a violência que ocorre quando uma mulher é pega a força, sem desejar o ato.

No estupro o não É NÃO, na fantasia o NÃO é apenas uma fala do roteiro que aquela fantasia necessita pra se desenvolver e que não tem relação com o que MUITOS estupradores alegam quando dizem que quando uma mulher diz não, está querendo dizer…

Eu estava falando com um amigo dia desses e conversávamos sobre isso. No dia seguinte ele me mandou um texto simulando uma situação assim…

O texto contem algumas abreviações, mas achei melhor deixar assim, como me foi mandado…Deu uma narrativa mais “real” (além de que isso aqui não é aula de português, claro…rs)

MAS não esqueça que não estamos falando de “estupro” como crime e sim de uma FANTASIA adulta realizada por dois adultos de livre e espontânea vontade.

Uma fantasia que você tem todo direito de não curtir… De não se excitar.

No início do texto ele me contou que é meu namorado e que estou voltando tarde da noite pra casa de ônibus… Ele está me esperando no ponto de ônibus… Começo a andar em direção a casa…O lugar está deserto então ele chega por trás de mim…

>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>

Creio que o restante da cena, vocês possam completar… Inclusive, se alguém quiser enviar uma continuidade, posso publicar aqui com prazer.

Eu diria que a prática está mais ligada a SM, e que a pressão psicológica pode ser elevada, se uma cena for bem feita. Os riscos são os comuns das práticas SM e as possibilidades de cenas são infinitas.

Um exemplo bom do que pode ser feito está num vídeo que postei há algum tempo neste link sobre BDSM na fazenda. (conteúdo para assinantes)

Que tal debatermos sobre isso? Alguém quer falar sobre suas experiências com rape play, ou mesmo vontades? Pode dar sua opinião contrária ou a favor, elas serão publicadas, desde que haja respeito.