Filme BDSM completo online – 3096 Dias de Cativeiro (2013)

3096 Dias de Cativeiro (2013)

Filme BDSM completo online dublado em português

3096-dias-de-cativeiro-filme-bdsm-online-completo

Eu não considero exatamente BDSM, mas ele é classificado como tal, no meio. É um filme interessante, com uma dinâmica beirando a lenta, mas que não dá sono.  Com uma temática interessante: Um sequestro de uma menina, para torná-la escrava.

Digo que não considero ser um filme BDSM porque ele mostra a “escravidão” da menina sem consensualidade, e é preciso entender o conceito de que o BDSM depende de consensualidade para não ser violência doméstica, ou mesmo crime.

Eu diria que no máximo, o cara é sádico.

E o BDSM infelizmente tem diversos filmes, artigos, livros e outras peças que de forma preconceituosa e/ou rasa, mostra o “submundo”  que vivemos… tsc tsc

Mas recomendo assistir.

Para assistir esse filme, você precisa ser um usuário cadastrado, por ser conteúdo restrito. É rápido, você se cadastra e e confirma clicando num link em seu e-mail e pronto…. Depois de logada(o), você verá o vídeo disponível abaixo.

Você precisa se cadastrar para ter acesso a este conteúdo.

 

Por um mundo mais “igual”

Ser igual, para ser diferente

Eu fui à festa BDSM no dia 24/07, no Projeto Luxúria, do querido Heitor, da qual eu falei neste link. Mas isso eu vou escrever depois, para contar como foi.

Hoje venho escrever que assisti a um making of que o Heitor (do Projeto Luxúria) participou, e que eu adorei a ideia, e acho que precisamos de pessoas que abram a cabeça e comecem a ver as coisas mais claramente, com mais respeito e humanidade. Chega de tanto preconceito e estupidez. E eu não perco essa exposição, vamos?

https://www.youtube.com/watch?v=i5OaFKeFoOM

Festa BDSM comemorando o dia 24/7

Projeto Luxúria em São Paulo

Uma das festas mais importantes do universo BDSM no Brasil

Não estou exagerando, já viajei para muitos estados e conversei com muita gente de outros estados, e definitivamente, fora de São Paulo, o BDSM engatinha, infelizmente. Mesmo em São Paulo, ainda acho que casas, bares e festas bdsm ainda são muito tímidas e parcas. MAS, o querido Heitor Werneck é um cara muito competente em fazer festa, eventos, e tudo o mais… E há 10 anos ele colabora muito com o meio BDSM, com suas festas e eventos que além de reunir muita gente de todas as tribos, tem sempre informação e workshop para os interessados.

Neste próximo final de semana, haverá a comemoração do dia 24/7, com uma festa amanhã dia 22/07 e um workshop no sábado 23.

Eu não costumo fazer recomendações, pois é difícil indicar algo que não se tem controle de qualidade sobre a coisa, e depois vem gente sem critério e sem noção, reclamar que eu indiquei e a coisa era ruim (no ponto de vista dele), como se eu tivesse que garantir a qualidade…

Porém, esta é A FESTA BDSM! Como temos muita limitação de eventos do meio BDSM no Brasil, ela é a única que presta mesmo… E por isso estou indicando. Já fui a muitas festas do Heitor, e se você não ficar sentado escondido no canto do bar, você vai aprender algo, conhecer pessoas legais, bater papos legais e ver muita coisa diferente.

Enjoy! http://www.projetoluxuria.com.br/

Segue uma pitada de como a festa é:

https://www.youtube.com/watch?v=4PnMxXGiT2A

Baba Yaga – filme decepcionante

Mais um filme BDSM completo, para assistir on-line (mas não recomendo, não perca seu tempo)

Ontem assisti com a Flames a esse filme, é baseado numa lenda eslava:

“Baba Yaga é o arquétipo da bruxa eslava presente no folclore russo e de todo Leste Europeu. Ela é um personagem muito mais profunda e intrincada do que as bruxas presentes nos mitos da Europa Ocidental, uma figura que inspira sentimentos contraditórios de medo, respeito e esperança.

Seu nome é um testemunho de sua identidade, assim como as muitas lendas que a cercam. O termo russo “Baba” é geralmente considerado ofensivo entre os eslavos. Ele serve para designar um tipo de mulher vingativa, que vive reclamando, que é grosseiramente desgrenhada, uma verdadeira matrona que jamais casou ou foi realmente amada ao longo de sua existência. Seria o equivalente a uma solteirona, uma velha que é consumida pela inveja de todos que são felizes e que vai se tornando cada vez mais amarga, perversa e cruel com o passar dos anos. “Yaga” é mais frequentemente traduzido como “bruxa”, mas tem vários outros significados, como “feiticeira”, “malvada”, “traiçoeira” e até “serpente”, algumas vezes a palavra também é usada para descrever uma situação de perigo, de medo ou até de fúria.”

leia mais sobre a lenda em http://mundotentacular.blogspot.com.br/2014/05/a-lenda-de-baba-yaga-mais-temida-das.html

Mas, só vim escrever sobre ele porque quem diz que ele é BDSM mente, ou não assistiu… é uma porcaria!

Eu não tenho muito a falar dele, mas como haviam me indicado como um filme BDSM, cult, intenso, legal… e eu não concordo em nada com esses comentários, achei legal vir dar minha opinião sobre ele. Definitivamente ele não é um filme BDSM; a não ser a boneca que aparece com umas tiras de couro e um chicote que é usado em alguns segundos de filme, ele definitivamente não é um filme BDSM, não se engane.

E pior, na minha opinião, nada de salva nele… Talvez ele seja cult demais pro meu gosto. Mas enfim, se alguém gostar, e quiser comentar… Ou mesmo assim quiser assistir, o filme está completo on-line no link abaixo. Não gostei!

[box type=”warning”]  Para assistir esse filme, você precisa ser um usuário cadastrado, por ser conteúdo restrito. É rápido, você se cadastra e e confirma clicando num link em seu e-mail e pronto….[/box]

[protected]Para assistir diretamente no Vimeo o link é: https://vimeo.com/153975743 e a senha é: draconiano [/protected]

Ou se preferir, basta digitar a senha no vídeo abaixo e você assiste aqui mesmo… tem opção de tela cheia inclusive.

https://vimeo.com/153975743

Ano de produção: 1973

Esse é tão ruim, mas tão ruim que não merece nem uma capa e sinopse aqui. É um terrozinho barato e mal feito, dos anos 70.

E fico puto com essa mania de “adeptos do meio” acharem o máximo assistir ou falar dessas merdas de filmes e livros “cults” e associar essas coisas bizarras e estranhas ao BDSM, que mania de inventar que as coisas nonsense são legais! PQP!

Taí meu quinhão.

Filme BDSM – A Pele de Vênus

A-PELE-DE-VENUS-2013

Mais um filme BDSM completo, para assistir on-line

Ontem assisti com a Flames a esse filme, é baseado na obra de Sacher Masoch, e tem a pegada romântica/erótica que ele sabia imprimir nas suas obras. Vou assistir novamente a Vênus das Peles, que é diferente deste.

Eu gostei, é intenso, confuso (Polanski) e direto.

Um filme BDSM sem putaria, sem preconceitos tolos comuns dos filmes com a temática, com uma dose legal de erotismo e profundidade suficiente para entreter. Tem um quê de poesia, como quem lê Masoch, provavelmente já viu…

Gostei!

[box type=”warning”]  Para assistir esse filme, você precisa ser um usuário cadastrado, por ser conteúdo restrito. É rápido, você se cadastra e e confirma clicando num link em seu e-mail e pronto….[/box]

[protected]Para assistir diretamente no Vimeo o link é: https://vimeo.com/153773124 e a senha é: draconiano [/protected]

Ou se preferir, basta digitar a senha no vídeo abaixo e você assiste aqui mesmo… tem opção de tela cheia inclusive.

https://vimeo.com/153773124

Trecho do “Adoro Cinema”:

Ano de produção: 2013

A trama gira em torno de Vanda (Emmanuelle Seigner), atriz que se esforça para convencer o diretor Thomas (Mathieu Amalric) de que ela é a pessoa ideal para interpretar a protagonista de sua mais nova peça, inspirada em obra de Sacher Masoch.

Numa Paris chuvosa, o espectador adentra um teatro vazio para se deparar com uma figura solitária, que parece terminar de se arrumar para deixar o lugar. Eis que chega uma mulher atrasada para um teste, que insiste para o profissional deixá-la encenar o texto preparado. Este é o ponto de partida de A Pele de Vênus.

Trailerhttps://www.youtube.com/watch?v=M6PDw3Z83ds

Filme BDSM Venus-in-fur

 

Mais poesia BDSM

velas blind vendas BDSM“Vou te provocar até você gozar com minha dor que te dou vem me abrir e sinta nossa brincadeira de luxo da luxuria que grita a nos chamar se me ama ou me odeia esta aqui junto a mim para brincar de quero mais você sabe o que tem que fazer me pegar e me ter em suas mãos afinal tenho sido um anjo mau que esta a sorrir com sua perversão salivo de desejos e te deixo fazer o que quiser… sinto seu gosto e nunca sera o mesmo uma noite basta… apenas pra começar nosso lado selvagem.”

por Lorien El @Direitos Autorais Reservados

Rape play

rape-playRape play é uma prática de estupro consentido

Há alguns anos eu me interesso por práticas e comportamentos que são um tanto difíceis de se entender à primeira vista. O estupro consensual é uma dessas… E já a pratiquei algumas vezes, por eu gostar de blind date, o rape play acaba trazendo elementos muito parecidos e anda em paralelo com a prática.

É preciso antes de tudo deixar claro que é uma prática CONSENSUAL, não é um estupro real, nada é feito contra a vontade das partes envolvidas.

Eu sempre tenho conteúdo guardado para publicar, poemas, fotos, filmes, vídeos, artigos, mas minha falta de tempo acaba adiando isso. Há alguns anos eu li um post no Orkut, exatamente sobre o rape play, que com uma visão de leigo, explica superficialmente, mas pode servir para abrir uma discussão calorosa a respeito do tema.

Segue na íntegra:

>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>

Por: Isy Sousa (10 de novembro de 2014)

Você sabe o que é Estupro Consensual?

Que Estupro é hediondo eu NÃO TENHO A MENOR DÚVIDA, mas também sei que muitas mulheres têm essa fantasia, que nesse caso é o “estupro consensual”.

Tem uma comunidade no orkut onde alguns participantes dão a sua opinião do que vem a ser essa prática: “Pelo que entendemos é um falso estupro, combinado entre as partes, e desempenharem seus papeis como se fosse verdadeiro”. “É O Faz DE CONTA DE UM ESTUPRO SÓ QUE COM PERMISSÃO”.

Na minha opinião é mais uma das fantasias que envolvem o sexo e embora muita gente não entenda…Bom, eu também não entendo ainda muitas coisas e nem por isso elas deixam de existir…E de serem reais.

Se o estupro é uma violência traumatizante pra uma mulher, porque o estupro consensual dá prazer? Porque o cérebro sabe que é UMA FANTASIA, uma situação simulada que não tem comparação com a violência que ocorre quando uma mulher é pega a força, sem desejar o ato.

No estupro o não É NÃO, na fantasia o NÃO é apenas uma fala do roteiro que aquela fantasia necessita pra se desenvolver e que não tem relação com o que MUITOS estupradores alegam quando dizem que quando uma mulher diz não, está querendo dizer…

Eu estava falando com um amigo dia desses e conversávamos sobre isso. No dia seguinte ele me mandou um texto simulando uma situação assim…

O texto contem algumas abreviações, mas achei melhor deixar assim, como me foi mandado…Deu uma narrativa mais “real” (além de que isso aqui não é aula de português, claro…rs)

MAS não esqueça que não estamos falando de “estupro” como crime e sim de uma FANTASIA adulta realizada por dois adultos de livre e espontânea vontade.

Uma fantasia que você tem todo direito de não curtir… De não se excitar.

No início do texto ele me contou que é meu namorado e que estou voltando tarde da noite pra casa de ônibus… Ele está me esperando no ponto de ônibus… Começo a andar em direção a casa…O lugar está deserto então ele chega por trás de mim…

>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>

Creio que o restante da cena, vocês possam completar… Inclusive, se alguém quiser enviar uma continuidade, posso publicar aqui com prazer.

Eu diria que a prática está mais ligada a SM, e que a pressão psicológica pode ser elevada, se uma cena for bem feita. Os riscos são os comuns das práticas SM e as possibilidades de cenas são infinitas.

Um exemplo bom do que pode ser feito está num vídeo que postei há algum tempo neste link sobre BDSM na fazenda. (conteúdo para assinantes)

Que tal debatermos sobre isso? Alguém quer falar sobre suas experiências com rape play, ou mesmo vontades? Pode dar sua opinião contrária ou a favor, elas serão publicadas, desde que haja respeito.

Discussões um tanto estranhas sobre o BDSM

Ser submissa ou ser uma ursa?

Lendo uma discussão sobre o que é submissão e me deparo com isso abaixo:

“A ursa americana, qdo chega a época de acasalamento procura o macho mais forte e poderoso e o ataca. E ela luta o mais ferozmente possivel. Caso esse nao a domine e subjulgue nao a tera. Caso seja mais forte q ela e a derrote, essa tera condicoes de a defender o proteger, e a prole, alem do q ela faria so. Por a do.inar ela se sente, apesar de machucada, segura, confiante, solida.
Estar com quem a domina adiciona conforto. Soma. O queva domina adiciona e por isso ela se entrega”

Mantive os erros de “digitação”, e forma de escrita. Foi copy+paste mesmo.

E comentários assim me fazem pensar como as pessoas são estúpidas. Queria dizer muita coisa sobre isso, pois meu pensamento voa e urra por algo que fincaria uma estaca no peito de um apedeuta desses. Claro, sobre BDSM.

As pessoas insistem em procurar uma explicação, como que um pretexto por serem do meio. E é tão frequente o pensamento medieval (e olha que adoro contos medievais! Mas pensamento retrógrado não me cai bem…), que eu não sei se vomito ou se rolo de rir.

Bom, não vou escrever mais sobre isso neste post, só quis mesmo compartilhar minha desaprovação. Respeito pontos de vista, mas não concordo com este. Não temos nada de ursos. Fui educado, pensando na máxima que se não for uma crítica para adicionar algo, melhor me calar, mas a minha resposta para essa pessoa deveria ser mais ou menos assim:

-Cala a boca!

E tenho dito.

PS.: coitadas das ursas americanas submissas.

Poesia BDSM

“Anoiteço e me vejo nublada
entre tempestades da alma
faço uma canção que entorpece
meus sentidos e sela minha imagem
face que se machuca, 
pedaços que se vão ao vento…
quem serei eu no meio disso?!
entre miados e poesias
entre belas faces e sonhos
passo noites sem dormir
e sonho pelos dias em que eu possa ver
essas tempestades se dissiparem
mais do que em palavras… ”
por Lorien El 
@Direitos Autorais Reservados
bondage BDSM

Pandora box – one shot

Ah!, sempre gostei de pessoas que escrevessem bem, ou talvez as que escrevessem o que eu quero ler hahahaha, compartilho com vocês um presente que ganhei, e quem for autor de contos BDSM e quiser me enviar, será um prazer poder ler você também.

Pandora box – one shot

Da janela do apartamento era possível ver o fluxo de pessoas correndo em todas as direções. A organização do apartamento era conflitante com a imagem emoldurada pela janela à prova de ruído. Era como assistir o mundo de camarote.

Este era o sentimento, a vida estava sendo assistida de camarote. Era uma vida muito boa, cheia de conquistas e pessoas queridas. Entretanto faltava sentir-se viva. Sentia-se apenas bobinha, frívola e desprovida de emoção.

cavalete bdsm bondageOlhou no relógio, já era hora de seguir para o local marcado. Desceu até o lobby do hotel e tomou um táxi. Pediu ao motorista que a deixasse a algumas quadras do local. O bairro era escuro, muito diferente do centro da cidade, mas não hesitou. Andou por duas quadras e avistou o toldo azul da clínica veterinária. Ele estava lá, conforme combinado. Ele era alto e intimidador, era exatamente como ela imaginava que ele seria.

Um calafrio percorreu seu corpo, lembrando-a de que estava viva e aquela situação era completamente diferente de tudo que tinha vivido até ali. Lembrou do telefonema dado a Misstress e a rapidez com a qual encontrou o voluntário para aplicar a sessão de spanking. Particularmente, preferiria se fosse apenas um sádico mas a Domme explicou que seria impossível encontrar um em tão pouco tempo e principalmente com a condição de não haver sexo envolvido. O preço foi negociado e lá estava ele.
Com breves apresentações ele a encaminhou para dentro do clube e lá seguiu direto para o calabouço reservado.

No dungeon ele pediu que ela tirasse as roupas e as colocasse sobre uma cadeira. Assim ela o fez. Entretanto ele se aproximou e lhe falou ao ouvido que as roupas estavam muito mal dobradas e que deveria dobrá-las novamente e desta vez com mais cuidado.

Ela fez conforme ordenado, mas ao término ele a jogou no chão de joelhos. Ela sentiu suas bochechas corarem e seu coração disparar. Ele a puxou pelos cabelos e falou que a partir daquele instante ela nunca mais seria a mesma, que a alma dela seria tocada e que a puta que existia dentro dela iria berrar para sair. Naquele mesmo segundo sentiu como se uma corrente elétrica passasse em suas artérias e ela soube que todas as palavras se tornariam verdade.

Ele a arrastou e a posicionou em um cavalete, com as nádegas voltadas para cima. Anunciou que daria 32 chicotadas, pois ela havia sido muito má. Ao primeiro contato do chicote com a pele ela sentiu um misto de dor e prazer. Finalmente ela se sentiu completa. Encontrou o que tanto buscava. Lágrimas rolaram pela sua face. Eram lágrimas de rendição e alegria por finalmente ter encontrado seu lugar.
Ele perguntou se estava tudo bem e se podia prosseguir. Sem hesitar ela pediu que continuasse e assim ele o fez. Durante as chicotadas ela pediu para que ele aplicasse mais força, pois ela gostaria de saber até onde aguentaria. Mas ele falou que não faria, que iria poupá-la, que não tinha a intenção de machucá-la.

Após as chicotadas ele atou seus pés e mãos a uma cruz, prendeu grampos em seus mamilos e voltou a chicoteá-la. Ele tocou a intimidade dela que estava úmida e afirmou que realmente ela era uma puta.
Quando saiu do clube estava em êxtase. Sentia como se sua alma estivesse dividida. Uma parte havia ficado para trás e dado espaço a uma nova. Este novo pedaço ainda era pequeno, mas queria crescer e tomar conta e havia um grande buraco a ser preenchido. O mundo como o conhecia não existia mais. Era necessário tempo para entender tudo que havia acontecido e colocar no lugar todos os sentimentos. Entretanto, no fundo sabia que sua vida nunca mais seria morna. A partir de agora seria intensa.

por Xoxo

spanking BDSM