Procuro submissa

Procuro submissa

Procuro sumissaque seja inteligente, dedicada, que não necessariamente seja experiente no BDSM, mas que entenda o conceito de entrega e pertencer a alguém, que procure um dono, que queira amar e ser amada (é… dominadores também amam), que esteja disposta a mudar algumas coisas em sua vida para atender aos desejos de seu dono, seu mestre, seu dominador. Que seja submissa de alma, por que se não sentir o BDSM com a alma, não adianta dizer que é submissa…

Que não dite as práticas favoritas, mas que saiba servir ao seu dominador, seu dono… de forma que ele perceba seus gostos e taras. Que não veja o BDSM como um fetiche, ou como algo promíscuo e simplesmente vinculado ao sexo, pois o meu BDSM não precisa do sexo, mas sim da dominação e consequentemente da entrega.

Procuro uma submissa

que saiba sorrir de coisas simples, que seja mulher, que seja divertida, completa! quero uma submissa completa! que saiba cozinhar, tenha seu próprio dinheiro, que queira compartilhar suas experiências e tornar o seu dono, o seu dominador alguém ainda maior, mais relevante, mais o homem que ela admira.

Ela precisa também acreditar que o BDSM para ter uma relação plena e virtuosa, precisa de pelo menos alguns pilares fundamentais: o envolvimento, a entrega, o respeito, a confiança, a dedicação e o sentimento… é aquele que para muitas pessoas move o mundo… e para esse dominador que vos escreve também. Porque o amor é o cimento para se construir grandes coisas, é certo que a edificação tem formas variadas, mas a submissa que procuro não é uma sub que deixa passar em branco uma construção que tem um alicerce bom, sólido e pronto para continuar e ser um jardim… daqueles onde é possível ver o BDSM ali encrustado em cada canto, em cada detalhe…

Procuro uma submissa

Procuro submissa bonita e gostosaque não tenha medo, que se arrisque mas não seja inconsequente, daquelas que adoram beijar, que adoram servir, porque conseguem ver o que outras submissas não vêem, algo que se perde em muitas relações: a simplicidade, a troca… uma relação NORMAL.

A candidata precisa estar perto, ao menos numa cidade próxima, precisa não ser fumante, não usar drogas, não precisa ser necessariamente solteira, mas isso ajuda muito! precisa entender o que é ser uma submissa, não ter isso como fantasia… mas sentir a necessidade de ter um dono. Daqueles incondicionais, como na História de O, que saiba que a coleira dela está no laço que nos aproxima e une. Não numa joia ou num símbolo físico que o tempo desgasta.

Quero uma submissa que queira uma única vida, daquelas que andam de mão dadas com o seu dono e não entendem só por esta razão que ele é menos dominador, que ele pode ser um verdadeiro lorde, que ele é humano e tem gostos, fantasias, fraquezas e sonhos.

Ah! procuro uma submissa bonita e gostosa, claro!!!! eu sou bonito e gostoso, mas além disso ela também precisa ser inteligente e não ser fraca.

Este seria um modelo de um “pequeno anúncio” meu procurando a uma submissa. Digo pequeno porque eu gostaria de listar mais N coisas e sei que muita gente concorda com meu ponto de vista… esse é o meu perfil ideal de submissa, para estar do meu lado e para eu ter uma relação BDSM plena… não para “sessões” é… está entre aspas porque as sessões que ouço dizerem praticar no BDSM são na verdade trepadas rápidas com um pouco de dominação e SM. E eu sou aquele tipo de cara que gosta de namorar… não de ficar… entonces já viu né?

E resolvi escrever esse post para tentar explicar que viver uma relação BDSM é justamente viver! é normal como qualquer outra relação baunilha! é absolutamente sadia e completa a relação BDSM ideal… e claro que conforme o “freguês”, alguns pontos e preferências são diferentes, mas no geral eu vejo muita gente batendo cabeça porque não quer uma relação BDSM que seja só o chicote e as velas… mas que fica perguntando no Fetlife se beijar na boca é BDSM… se assistir um filme que não seja da temática com o dominador, pode ser ou não uma relação BDSM… caraca! é BDSM tudo o que quisermos incluir no tema! as pessoas se esquecem de conceitos básicos de definição! não transformamos algo para o mundo BDSM, não existe conversão.

E viva as diferenças, o modo de vida plural e originalmente: BDSM! =)

Esse assunto é algo do qual adoro tratar… ele dá pano pra manga.

Saudações…

 

Procuro Submissa ideal

52 Comentários

  1. Nara Souza says:

    Pesquisando, cheguei a esse blog. Comecei a ler e fiquei super curiosa em saber se você achou o que estava procurando nesse post. Achou sua sub Dom Draconiano?

    • DOM Draconiano says:

      Olá Nara, às vezes eu encontro essas submissa sim… ela existe e é raro encontrá-la, mas os dispostos se atraem ;-) Saudações.

      • Melissa says:

        “Os dispostos se atraem”. Inteligente, objetivo, espirituoso, certeiro. E eu adorei!

  2. Carol says:

    Sou uma baunilha curiosa ou uma submissa tímida(não me defini ainda)…procurando entender mais esse universo. Percebi como é complexo, teoricamente falando. O que não entendo, como é banalizado e vulgar(não suporto vulgaridade)que encontro nos sites de relacionamentos BDSM… Triste, pois gostaria de conhecer mais e quem sabe…sair da teoria. Parabéns por seu blog!

    • DOM Draconiano says:

      Obrigado Carol,
      realmente há coisas indesejadas nesse meio, mas isso há em qualquer lugar, e sinceramente? ainda bem que não é fácil, senão não teria graça alguma =)

  3. Thais says:

    Senhor, fiquei intrigada com seu blog, muito interessante.
    A ideia que tenho sobre esse assunto retiro de livros e filmes, adoraria conhecer mais sobre o assunto e explorar mais sobre sobre meus limites. Quero ser submissa(ou sempre fui e nunca me passou pela cabeça) como faço pra que isso aconteça?

    • DOM Draconiano says:

      Olá, eu lhe respondi algo em seu e-mail… espero que seja útil de alguma forma.

  4. Ceiça says:

    Olá,eu andei fazendo uma pesquisa e vir que uns” dominadores “estão procurando sexo fácil .sou submissa até na alma gosto do controle de me sentir sendo dominada na mente .e meu maior desejo mesmo e encontrar um dom que tenha as qualidades que eu acredito pertence ao um verdadeiro dominador ….

    • DOM Draconiano says:

      Olá Ceiça, realmente é como numa relação baunilha, as relações bdsm originais dependem de muita calma, persistência e um pouco de sorte para se encontrar a pessoa certa… Mesmo sendo um dominador com o perfil que você busca ou acredita ser o ideal para a sua relação, precisa haver aquele click que todos chamamos de química, senão é como os baunilhas: sexo por sexo… Boa sorte em sua busca, submissas de alma são apreciadas, tenha paciência e seja cautelosa que você encontra o dominador certo.

      • mayra says:

        Preciso de um dominador q me de amor alem de prazer…que me satisfaça sem limites, que me apresente ao desconhecido,e que seja monogamico

        • DOM Draconiano says:

          Olá Mayra, taí um tema relevante a abordar… esse dominador que você busca existe e tem o perfil dos que buscam uma relação bdsm 24/7, mas sugiro que você ofereça algo antes de querer que um dominador satisfaça seus limites, porque isso é o que se espera dele, e provavelmente ele o fará, mas a submissão sugere que você se doe antes de receber algo em troca. Outra questão importante é o seu entendimento de monogamia, ele pode ser um tanto complexo, mesmo parecendo um assunto extremamente simples. Em geral, não como uma regra… os dominadores não são monogâmicos. E isso é parte do princípio de que dominadores fazem o que desejam e suas submissas querem servi-los independente de qualquer limite ou “restrição” que uma vida baunilha supõe ser adequada, porque há um entendimento que aponta que ser propriedade de alguém, dá de fato a liberdade a seu dono escolher o melhor caminho a percorrer com a relação.

          Eu não tenho aqui, ao menos por enquanto, um espaço de aproximação de adeptos BDSM, mas você pode colocar um anúncio bem detalhado no portal do Senhor Verdugo, que é um dominador sério em nosso meio e possui espaço para aproximar pessoas. Sugiro que faça um cadastro lá e um anúncio em seguida. Mas que informe-se bem e reveja o que pode significar pra você a relação monogâmica, pois uma relação bdsm não é exatamente estruturada como uma relação baunilha.

          • mayra says:

            Obrigado!

  5. Ceiça says:

    Obrigado
    Terei paciência .

  6. Anastasia says:

    Há possibilidade e de que forma de uma submissa ser uma serva e também esposa de seu dono.
    Há como além do sentimento de servi possibilidade de algo a mais?

    E se…a submissa e o dom quiserem relacionamento sério, como ela deve agir? Como ela o manterá por perto e interessado?

    • DOM Draconiano says:

      Olá Anastasia,
      há sim a possibilidade… o principal é você entender o conceito de submissão, ele não está ligado a práticas contrárias às relações estáveis. Estas são até mais interessantes para a submissão, uma vez que quanto mais você está envolvida com seu dominador, mais confiança existe, mais entrega e cumplicidade.
      O algo a mais é fundamental para a submissão. Ao contrário de algumas relações estritamente SM (sadomasoquistas), onde a masoquista não é necessariamente submissa, nas relações D/s (dominador/submissa), tudo o mais que puder haver entre os envolvidos é importante.
      A submissa não precisa se preocupar em manter o dominador por perto e interessado, deve se preocupar em servir bem, viver, sentir e se entregar… isso faz com que a relação seja plena e viável, consequentemente os dois estarão próximos o bastante para que o interesse seja demonstrado.

      Sugiro que você procure ler e assistir conteúdo específico sobre BDSM. Os livros romanceados são bons, mas no caso dos 50 tons por exemplo, extremamente superficiais… e fantasiosos. É gostoso e excitante lê-los, mas eles não possuem profundidade para lhe apresentar os conceitos. Grupos de discussão, fóruns e redes sociais podem ajudá-la também.

  7. Karla Siqueira says:

    Olá senhor Dom Draconiano… Realmente depois de ler alguns livros atiçou em mim essa curiosidade de D/s e juro me encantei… Estou em buscar de realizar esse sonho. Que você tenha sorte nas suas Subs!!!

  8. Uma Linda Rosa says:

    Ola Sr. fui casada li o livo 50 tons de cinza e achei muito interessante, quero experimentar de tudo, pois acho que ainda tenho muito a ver, a fazer e descobrir.
    Gostaria muito de achar um Dominador que fosse capaz de mi levar ao delírio.

  9. Sara Ferreira says:

    No seguimento de um programa na tv que falava de BDSM. Fiz uma pesquisa rapida no google e vim parar aqui. Como estao na moda os livros eróticos do qual sou fã, nao posso deixar de sentir curiosidade por este mundo. Tenho uma relaçao e não sou submissa, nem dominadora. Ainda nao me defini bem, apesar de gostar que tenham o controlo sobre mim. Gostava de saber um pouco mais da realidade deste tipo de vida, se assim se pode intitular. O que sugere? :)

    • DOM Draconiano says:

      Olá Sara!
      Sugiro que procure se informar muito, ler e assistir conteúdo especializado, não apenas os livros que abordam o tema mas são romances eróticos. Conversar com outras pessoas do meio de forma cautelosa e sem pressa é importante também. Quando você se sentir segura o bastante para descrever o que você tem como papel mais adequado aos seus gostos dentro do BDSM, talvez você já esteja preparada para viver alguma experiência do meio. Converse em chats especializados, visite blogs, fóruns, grupos de discussão, faça um perfil no Fetlife, lá você terá contato com o meio e com fetichistas do mundo todo, isso facilita que expanda abra os horizontes do BDSM em você.

  10. gian says:

    [editado por DOM Draconiano]
    Não costumo publicar dados de usuário e esse não é um artigo para isso, mas neste caso em especial, um amigo italiano está enviando como se fosse um anúncio, então estou publicando suas pretensões:

    >>>

    italiano soltero procura submissa, pra morar na italia con el…

    Gianni picogio1@gmail.com

    tenho 63 anos alto 1.77 80kg ojos azul tamb…

  11. Jéssica says:

    Ser uma submissa não é fácil.. ou vc se entrega completamente corpo alma e coração ou vc se entrega de corpo alma e coração… não há outras opções quando se entra no mundo D/s… Mas é algo que te completa, o elo o envolvimento é um mundo fantástico.. Um Dono é mais que marido ou namorado… Parabéns pelo blog Senhor Draconiano.. :)

  12. Natalia says:

    Bom oi não sou submissa…mais a submissão me atrai muito me desperta um desejo louco mais ainda tenho medo de tentar…
    O que eu faço ?

    • DOM Draconiano says:

      Oi Natalia, a melhor coisa a fazer é se informar… você precisa pesquisar, assistir filmes, ler blogs, ler livros específicos do meio, interagir com pessoas do meio e participar de fórums de discussão. Um bom começo seria ler Sade e Masoch, assistir a alguns filmes, como o exemplo que temos aqui, A História de O, Secretária, Juiz SM, e fazer um perfil no Fetlife.

  13. gabriela says:

    eu gostaria de saber mais ,quero conhecer dominadores pois a experiencia que eu tive gostei,poderiam me escrever no mail quem puder me dar outras informações

  14. PENELOPE says:

    Adoro BDSM…frequento muito…abraços

  15. sub helena says:

    Boa noite, Dom Draconiano.
    Gostei do post, uma visão elegante e sincera, não muito difundida no BDSM, alguns chegam a propagar o ato mecânico, superficial,parecem que esquecem que somos seres humanos, motivados pelo romper de nossos próprios limites e anseios, que de fato o objetivo é se lançar, se descobrir, se desnudar… Surpresa agradável o post.
    sub helena

    • DOM Draconiano says:

      Olá Helena,
      bom que tenha gostado, bem-vinda.

      • Lunna says:

        O que seria mais interessante numa submissa a completa obediência ou a necessidade de imputar a penalidade em virtude da desobediência Dom Draconiaino? No fundo não prefere uma submissa rebelde que espera ser açoitada pelo mestre???

        • DOM Draconiano says:

          Olá Lunna,
          creio que o mais interessante nessa busca incessante pela pessoa certa, seja justamente encontrar (para os dois lados da relação) a pessoa que sinta-se feliz em fazer e se portar do modo que desejamos. E esta é a parte mais difícil, mas a que melhor recompensa oferece…
          Há dominadores que têm a necessidade de castigar, em geral os que possuem traços sádicos mais acentuados. E que gostam da brincadeira que existe na desobediência.
          Eu sou um dominador do tipo que prefere conquistar sem pressa a confiança e obediência de minhas submissas, mas que depois não se diverte com desobediência. Como tenho traços leves do sadismo, não tenho pretensão de marcar minha sub com nenhum instrumento, tampouco castigá-la sem necessidade. Note que essa necessidade vem da relação, não do dominador. Pois uma vez que eu busco a pessoa ideal, ela será feliz em me obedecer e se dedicar integralmente.
          Minha impressão sobre submissas que são desobedientes para receberem castigos é que elas não entenderam muito bem que podem ser masoquistas sem ser submissas… e terão castigos frequentes, mesmo sem precisar desobedecer seu dono. Um assunto que eu devo explorar em breve aqui no blog é justamente a diferença entre uma submissa e uma masoquista, pois os papéis podem ter intersecção, mas são bem distintos.

          Seja bem-vinda para interagir a vontade, esse espaço tem o objetivo de lançar luz ao tema, justamente essa é a intenção que você provocou.

  16. Vania says:

    Olá , sou leiga nisso mas… porem tudo que li e pesquisei sobre sub eu me encaixo muito nisso e a partir dai comecei a procurar um Dom…
    Obs..nunca tive um Dom.

  17. Taina says:

    Oi! Gostaria de saber mais sobre esse assunto já li alguns livros mais nem tudo está neles né rs .

  18. dinha says:

    eu ainda não acredito que existe pessoas que possam queres ser dominadas.. submissa, parece coisa de outro mundo

    • DOM Draconiano says:

      Pois é dinha, mas existem pessoas que querem sim… e isso acontece há muito tempo, registros com definições já bem definidas datam de mais de 300 anos atrás. É algo que já foi visto como doença, e felizmente foi esclarecido que não o é. Você pode se informar melhor sobre o assunto lendo algo focado em BDSM, sugiro que comece por Marquês de Sade e Masoch, são os pais do termo sadomasoquismo, e isso esclarecerá muita coisa a respeito do assunto para você. Literatura muito mais leve e não menos importante, é o caso do 50 tons de cinza, que apesar de mal visto no meio BDSM por ser muito superficial e fantasioso, mostra uma “realidade” que existe sim, e com muito mais frequência do que se imagina. Se for um assunto interessante a ti, procure pelos livros em PDF que tenho aqui no blog para download, eles devem ser um ponto de partida interessante em sua pesquisa a respeito.

  19. Jessica says:

    Olá
    ser sub e algo q me Admira bastante pois ao meu ver nn e apenas sexo mais sim um jogo de confiança de ambas as partes.Leio mt sobre dom e sub e acho fantástico pois e algo inebriante e devastador.
    Nn posso falar em si que estou a procura mais gostaria sim de ter dom da qui um tempo

  20. Mestre says:

    Wow.. Acho que nunca vi melhor definição (e anuncio ;) ) Espero que encontre A submissa…

    • DOM Draconiano says:

      =) agradeço a menção Mestre.

      Saudações.

  21. isabel says:

    olá,
    Eu raramente comento quando gosto de algo que leio em blogs, por medo de ser mal compreendida, ou até mesmo de ser mal interpretada, mas eu realmente gostei e apreciei tudo que li aqui (principalmente seu ponto de vista). E estou a meses procurando um DOM que realmente quer amar e ser amado! Eu venho procurando um DOM que se preocupe de verdade com a submissa e que se importe com ela! Mas as vezes essa procura parece que não irá dar em nada, pois é muito difícil achar alguém como o senhor que vê o BDSM de uma maneira tão especial!! Estou me sentindo mal por não encontrar um DOM de verdade (digo de verdade por que existem muitos que se dizem DOM, mas não são, e me sinto incompleta, sinto que preciso de entregar a minha submissão!!
    (Me desculpe pelo tamanho da mensagem (rs) é a menia de escrever coisas grandes)
    Acha que ainda posso encontrar algum Dom, senhor DOM Draconiano?

  22. R****** says:

    Interessante o post… Interessante esse assunto…

    Pena que está virando modinha e agora por causa do 50 tons de cinza muitas mulheres decidem ser submissas… Sendo que o livro mostra somente o lado suave do negócio… Tenho certeza que é muitooooo mais intenso do que lemos no livro…

    • DOM Draconiano says:

      Olá R******,
      agradeço sua participação, é importante discutirmos o assunto.
      Eu não vejo a modinha 50 tons de forma tão negativa, acho que algumas pessoas até descobriram que há algo por trás de seus gostos que antes não estavam definidos, ou classificados… as pessoas têm o hábito de precisar dar nomes aos bois, para começarem a viver as coisas, e isso acontece demais demais com o BDSM.

      • R******* says:

        Realmente concordo que algumas pessoas lendo 50 tons de cinza podem se descobrir de fato, mas eu não entendo muito, creio que é um pouco mais intenso e profundo do que lemos no livro…
        E creio que muitas meninas podem querer se aventurar nesse novo mundo somente com base nesse livro de ficção, acho que pra realmente ser adepto precisamos pesquisar bastante pra saber no que estamos nos “metendo” rs… Eu particularmente gostei do livro, bastante, é bem exitante se imaginar fazendo todos esses jogos, sendo dominada e dominando… Misturar dor com prazer…
        Mas sei lá, ser submissa mesmo, como essas “24×7″ é algo bem radical mesmo… Isso na minha opnião… Rs, no meu caso acho que teria que ser a “mestre” porque sou muito mandona! kkkk

  23. R******* says:

    Queria te perguntar umas coisas, se vc puder responder é claro…

    Vc já teve submissas 24×7?? Como foi a relação com elas? Durou bastante tempo? Enfim, gostaria de saber como se relacionava, como se encontravam, se vc bancava elas, as roupas, enfim, esses detalhes, se puder falar… Porque é interessante saber isso de alguém real, é muito legal… Bem melhor do que ler um livro… rs

    • DOM Draconiano says:

      Olá R*******

      Em pouco mais de 15 anos, eu SÓ tenho submissas 24X7.

      É uma relação comum, como namorados, que tem características de dominação em todos os níveis e situações, mas que não se baseiam em detalhes fantasiosos sobre o meio, que acreditam ser viável em todas as situações… por exemplo, minhas submissas podem ouvir de mim que as amo, ou podem olhar em meus olhos, podem se expressar e têm opinião própria.

      Já tive uma relação de 8 anos, mas tive outras que duraram 1, 2, 3 anos…

      Não bancava ninguém, isso é uma fantasia dos 50 tons, não existe. A não ser que o “dominador” seja casado com baunilha e viva uma via dupla, de mentiras e traição, aí é como bancar uma amante.

  24. gabriela says:

    Estou lendo o segundo livro da trilogia de 50 tons de cinza, eu estou adorando, eu não fazia ideia que havia um estilo de vida tão diferente e interessante…eu queria entender mais sobre o assunto, estou fazendo pesquisas. tem contrato? termo de confidencialidade? regras? punições? tem tudo isso mesmo? nossa!!!! eu quero entender isso na realidade.

  25. NICE says:

    PREZADO SENHOR DOM!
    GOSTEI DA FORMA QUE SENHOR DESCREVEU A BUSCA PELA A SUB.NÃO SOU DO MEIO BDSM,MAS ACREDITO QUE EM QUALQUER RELAÇÃO TEM QUE TER RESPEITO,CONFIANÇA E LEALDADE.
    ATENCIOSAMENTE NICE!

    • DOM Draconiano says:

      Que bom que gostou Nice!
      Os três ingredientes que você citou são fundamentais mesmo nas relações, independente do perfil.

      Saudações.

  26. Nicky says:

    Boa noite. Excelente escrita, primeira observação.
    Bem, tenho a referir que sou submissa desde que me conheço, no entanto descobri que o era apenas depois de me relacionar com um Dominador que realmente me mostrou que eu era uma submissa nata. Entenda-se que é o submisso que tem o controlo de tudo, na minha forma de ver: é ele quem escolhe os seus limites, é ele que aceita acarretar esse compromisso.
    É hilariante como o nosso corpo pode responder a todos os estímulos (físicos ou não) que nos provocam. É possível amar, ser amado e ser submetido a ordens deliciosas do seu dominador. estou contentíssima com a relação que criei e espero que entendam cada vez melhor esta opção. Não é um comportamento sado, grotesco nem fora do controlo. é exatamente ao contrário: exige disciplina e com isso não significa que não seja um ato violento. No meu caso, é uma linda definição de amor!

    • DOM Draconiano says:

      Olá Nicky, que bom que lhe agradou.
      Eu descordo dessa questão da submissa ter o controle. Uma vez que há de fato a troca de poder, com confiança e entrega plenas, quem determina os limites e forma de agir, é justamente quem conduz a parte submissa. E é um tema bom para discussões, pois sempre há bons argumentos dos dois lados. Mas a verdade é que que importa, é que a relação os faça felizes, não é preciso se prender a nenhum padrão estabelecido. Na troca de poder, eu acredito que esteja o melhor caminho para conduzir e para seguir os passos, em qualquer relação BDSM. Uma relação BDSM não existiria sem a submissa, claro… mas também não existe sem o dominador. Descobrir esses limites através dele, pode ser surpreendente… Pense nisso!

      Saudações.

  27. Vanessa says:

    Gostei muito do seu ver e de sua esclamação sobre submissão. Ando meio confusa, pq gosto de me submeter, mas tambem tem um lado meu que gosta de ter controle sobre td.. O que fazer nessa situação?

  28. Ana says:

    Acabei de decidir fazer esse comentário, falo as outras coisas no outro… Não sei se o DOM vai publicar ou não, mas enfim… (desculpa a intimidade com o nome, mas é que tenho mania com pessoas que simpatizo) :)

    Então, vi falando sobre o 50 tons nos comentários… É uma trilogia muito massa (eu mesma já li 6 vzs cada livro), mas o foco lá não é o BDSM…
    Sei que muitas pessoas gostam de ler esses só para ter uma uma iniciação no assunto sem se assustar… Então dou dica de outra trilogia que aborda o assunto e até achei um pouco parecia com nosso amigo DOM aqui e com as coisas que postou.. Os livros são: Obsessão, Delírio e Fogo da Maya Banks (talvez até conheçam), esses deixam o meu amigo Grey no chinelo.. Claro que não são nada comparados aos que o DOM indicou aqui nos comentários, mas pra quem gosta, fica a dica…
    ;)

    • DOM Draconiano says:

      Oi Ana, agradeço a colaboração, não conheço a trilogia citada, mas qualquer informação vale a pena, mesmo que negativa, porque serve como parâmetro. Não posso avaliar a trilogia que você citou, da Maya Banks, mas garanto que vale a leitura, simplesmente porque é preciso ter o máximo de informação possível, e; avaliar o que vale ou não ser considerado, é justamente o leitor que deve fazer, então eu só indico mesmo. Obrigado por indicar algo.

      Saudações.

  29. Ana says:

    Eu de novo… Agora o que ia dizer…
    Depois de 3 anos em um namoro descobri que era um tipo de submissa que nao tinha nada relacionado a uma relação D/s.
    Um unico namorado em 26 anos e 3 anos jogados fora, definitivamente foi broxante (se é que permitem usar essa palavra, caso contrario pode editar).. Já li algumas coisas mas nao fui muito a fundo do assunto, mas do pouco que já li, acho que talvez eu tenha mesmo a tendência para ser uma sub (de verdade é claro), mas uma coisa me intriga, existe mesmo tudo isso que você falou? Porque assim,não tenho uma vasta experiencia sexual mas sempre fui em ouvir (de verdade), ver (realmente enxergando)e analisar as pessoas e o que mais vejo é o quanto tem homens e mulheres que vivem nos mantras (HOM: eu,eu / MUL: eles são todos iguais), e por conta disso ferram com com qualquer relacionamento.. Não se está dando pra entender o meu ponto, mas falo sobre a satisfação na relação, o famoso “Me sinto saciad@(vamos de novo?)” tipo isso…
    Uma relação que nao seja tediosa e sem graça… Meus amigos sempre dizem que é gay (a pesar de ter me traído com mulheres), mas dizem isso por vários motivos que ele deu, um deles foi o fato que dele me achava viciada em sexo só pq eu queria transar todo fds(esse é um dos motivos mais brandos), já li que tem D/s que transam todos os dias, se na época eu falasse isso ia me chamar de ninfomaníaca(e pelo o que sei o assunto nao esta muito relacionado com quantidade de vezes).. Ou por acaso teria alguma relação? É tão fora do comum assim alguém querer sexo com um pouco mais de frequência do comum?
    Como já disse, talvez eu tenha a tendência pra ser sub (o que é irônico, por eu sendo quem sou), mas tb só seria se eu encontrasse o famoso “Me sinto saciad@(vamos de novo?)”.. rs

    Desculpa se empolguei no tamanho do comentário, mas é que seu texto realmente está ótimo… Inspirador (talvez seja uma boa palavra)

    • DOM Draconiano says:

      Olá Ana, é bom que você tenha se inspirado para escrever, essas discussões e comentários tiram muitas dúvidas e inspiram novos posts para aprofundar determinados assuntos.
      A questão de quantidade de sexo, ou necessidade de mais, não tem nada a ver com o BDSM, vai das pessoas envolvidas, mas o que eu me preocupo em sempre deixar claro é que o BDSM não limita nada, qualquer coisa é possível, se seu parceiro ou parceira tem o seu ritmo, vocês têm mais é que aproveitar mesmo.
      Já tive relações com a configuração que citei no post, já conheci outros bdsmers que tiveram ou ainda têm relações assim também, e acredito que seja só questão de encontrar a pessoa que queira as mesmas coisas que você. Mas como no meio baunilha, obviamente uma relação focada em qualidade, requer esforço e dedicação, e; não encontra-se uma relação dessas em “qualquer esquina”, então é preciso ter paciência e procurar… (não digo sair experimentando tudo), procurar e estar bem, não desesperado, ou “à perigo”, porque senão os seus “filtros” não irão funcionar eficientemente.

      Saudações.

Deixe uma resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>