Dominação Ideológica

Dominação Ideológica

A dominação ideológica é algo usado também no BDSM, e como eu gosto muito de filosofia, acabo sempre esbarrando em conteúdo que corrobora com o que penso, ou vivo no BDSM.

Importante deixar claro que não trata-se de uma prática BDSM, e que o exemplo mostrado aqui, só tem o intuito de fazer você pensar, não de ditar que exista algo assim, definido como prática do meio BDSM, ou que seja certo ou errado. Inclusive, quem me acompanha, já deve ter percebido que eu acho o certo x errado um conceito muito relativo. Mas sem mais delongas, aqui vai um conteúdo que eu gosto muito pelas definições claras e diretas que o Clóvis de Barros possui, e achei relevante compartilhar.  Note que é um conceito marxista, mas que se você parar para pensar, boa parte dele irá se aplicar a uma série de perfis de dominação.

Para quem não quiser ver desde a introdução  contexto (vale a pena), pule direto para 6 minutos e cinco segundos:

Mas resumidamente, a dominação ideológica tem a ver com fazer o outro acreditar de tal forma num ideal, que ele passa por situações adversas, de forma satisfeita, sem se abalar… Porque ele acredita de fato que ele está ali porque DEVE estar lá… É como se a pessoa aceitasse algo porque culturalmente aquilo foi incutido na cabeça dele. E a pessoa não vê injustiça, defende ideal que não é dele, sem entender porque, de forma cega. E no BDSM, há dominadores mal-intencionados que conhecem de dominação psicológica e de dominação ideológica (que não é uma prática), e acabam fazendo pessoas virarem robôs!

read more

Submissas BRAT?

submissa-brat

Submissas BRATS

Brats são confundidas com submissas que em muitos casos (na minha opinião) abusam da posição delas e perdem noção de seu próprio tempo e espaço. E por essa razão, eu sou um dos muitos dominadores que querem distância de brats, não é uma unanimidade, claro; mas a maioria dos doms que conheci e conversei, não curtem o comportamento brat. E para encontrar algo que ilustre o perfil da brat, eu pedi autorização de reprodução de um artigo que vi no Facebook e foi gentilmente cedido pela autora Aurora Lopes. A questão principal da conquista é justamente onde alguns Tops discordam do conceito, mas vale a leitura e reflexão:

BRATS

O que se pode dizer sobre isso… Prazer ou desafio?

O que será que significa essa palavra, talvez seja algum jogo.

Tema pouco comentado, talvez um pouco polêmico, talvez mais ainda ,um pouco ignorado.

Como tudo no BDSM, há os que aprovam e os que desaprovam totalmente.

SUBMISSOS BRATS…

O tema instiga nossa curiosidade, afinal, quem são eles… OS BRATS

Falando assim parece até que são de outro mundo, mais são submissos normais, apenas apresentam algumas condições especiais.

Alguns Dominadores apreciam muito, já outros rejeitam totalmente.

Mais para os que apreciam, torna-se um excitante e prazeroso desafio…

É um assunto bem complexo, mais vou tentar ser o mais clara possível.

Os Brats são submissos , embora sejam difíceis de serem controlados, por isso não são aceitos por muitos Dominadores, são impulsivos, resistentes a maioria dos comandos, isso os torna desafiadores e rebeldes na visão de Doms e Dommes. Por isso quase sempre são afastados por eles. Essa rebeldia torna seu caráter questionável , e para a maioria dos Dominadores , o caráter é essencial.

Para um Dominador é muito frustrante saber que não consegue controlar um submisso,por isso preferem ignorá-los e se afastam.

Mais para alguns Doms extremamente sádicos, isso se torna um desafio aceitável e muito interessante.

Há quem diga que os Brats não são submissos, apenas possuem alguns comportamentos que se identificam com a submissão, mais se seu comportamento for bem trabalhado por um Dominador de garra, autoridade, sabedoria e disciplina exemplares. e acima de tudo muita paciência, sua submissão pode vir a tona.

E claro também depende de um fator muito importante, talvez o mais importante de todos. A capacidade de entrega do submisso.

Na verdade acho que todos os submissos alguma vez se comportaram como Brats, quem nunca se rebelou ou teimou com se Dono. Resistiu a uma ordem, questionou alguma coisa.

Talvez um Brat goste de chamar atenção, como um adolescente que desobedece aos pais, questiona suas ordens, responde aos professores, enfim, tem um temperamento imaturo. Um temperamento forte e luta para ter suas vontades atendidas e não o contrário.

Precisa de um Dominador de pulso firme e seguro de si mesmo, mais ao mesmo tempo, precisa de um Dominador que seja compreensivo, calmo e que o entenda.Entenda seu comportamento sem acusações.
Mais é importante que fique claro que o Brat tem o desejo de servir, ele só não consegue obedecer a voz de comando de seu Senhor sem desafiá-lo ou questioná-lo antes. Não consegue enxergar com clareza o caminho da submissão. Para eles tudo deve ser questionado primeiro.

O Brat tem a necessidade de ser protegido, guiado, como crianças indefesas. E isso atrai alguns

Dominadores, para falar a verdade, é um desafio e tanto…

Um Brat é curioso ao extremo, sempre quer saber o porquê de tudo, gosta de questionar,não vai se submeter sem entender ou argumentar.

Eles não conseguem simplesmente aceitar a ordem só por aceitar, e isso vai gerar discussões e descontentamentos. Justamente como um adolescente faria.

Primeiro vem as perguntas, depois os argumentos e por fim os obstáculos. Sempre haverá uma dificuldade ou um motivo para não obedecer.

O Dominador tem que ter muita sabedoria e jogo de cintura para dominá-lo, é uma verdadeira prova para sua Dominação.

Se o Dominador souber como adestrá-lo, ele vai acabar por se dobrar, se submeter e isso será uma grande vitória para o Dominador.

A essência predominante dentro de uma sessão entre um Dominador e um Brat, é puramente a CONQUISTA.

Um Dominador tem que ter em mente que a força não é o caminho, falar duro , bater o pé, nada disso resolve. O caminho é a paciência e a sabedoria. Isso o fará seguir o comando de seu Senhor…
Pode-se dizer também que o Brat, pode desobedecer simplesmente para receber um castigo , seja físico ou psicológico, gostam de chamar atenção e sentir que são o centro dela. Se sentirem amados , cuidados, e protegidos.

Existem Dominadores que gostam de possuir feras, bom eu diria que Brats, podem ser facilmente comparados a feras que aparentemente, podem ser indomáveis.

Há Dominadores que gostam de serem desafiados, e uma cena entre um Dominador Sádico e um Brat masoquista pode ser muito interessante e extremamente excitante.

O gosto do desafio instiga o dominador e isso automaticamente liberta a rebeldia do Brat.

É um jogo de conquista, um tentando conquistar o outro, sempre assim. A resistência ao domínio e a entrega do Brat e o instinto de dominação do Dom. Isso é o que mantém os dois juntos.

Um Dominador que se sente atraído pela rebeldia , vai se sentir cada vez mais motivado pela resistência do submisso. A busca pelo poder do Dom e a luta pelo desafio do Brat.

Mais o desafio maior do Brat é feito a si mesmo. O desafio de confiar e se entregar a seu Senhor e conquistar uma relação sólida, baseada na confiança de ambos.

Mais ao mesmo tempo que o Brat pode se tornar um desafio prazeroso, pode também se transformar em frustração, porque um Dom quer suas ordens cumpridas, sem explicações dadas, ou motivos para elas, não quer uma troca, ou um debate. Você me deixa feliz e eu te deixo feliz.

Isso pode se tornar cansativo.

Bom , mais como tudo no BDSM, isso depende da essência de cada um.
Uns gostam de desafios, outros não…
Uns são pacientes,outros não…
Uns gostam da submissão total, outros de um pouco de resistência e emoção…
Um Brat não consegue se entregar de forma incondicional, sempre vai haver perguntas, mais isso pode ser trabalhado, e depende tanto do submisso quanto do Dominador.

É um trabalho em conjunto, o Brat precisa aprender a confiar em seu Senhor, superar o medo de falhar, deixar de ficar sempre na defensiva. Isso pode privá-lo de prazeres e sensações.

Aprender a dar para poder receber, mais cientes de que são seus Senhores que ditam as regras e não o contrário.

Uma relação Dom/brat pode ser muito prazerosa desde que um aceite o jeito de ser do outro, sabendo que se pode superar obstáculos e quebrar barreiras.

Não é necessário se fazer uma lavagem cerebral, apenas amor e paciência para as mudanças começarem a acontecer.

Mais devem saber que o que mantém os dois juntos Dom/brat é justamente essa tensão diária.

A rebeldia, teimosia e até desobediência de um Brat não o torna menos submisso.

É tão submisso como qualquer outro, só demonstra isso de forma diferente, sua submissão ainda está escondida e precisa se libertar, e isso de certa forma o torna seguro contra abusos.

Há quem diga que o Brat gosta de comandar, mais isso não é verdade, senão ele seria um Dominador.

O que ele gosta mesmo é da emoção do desafio, de ser vencido, de ser conquistado como um troféu.

Autora: Aurora Lopes

original: https://www.facebook.com/pageconfissoesdeumasubmissa/posts/1600526100195055:0?__mref=message

read more

Projeto Luxúria – Novo canal BDSM no YouTube!

Projeto Luxúria – Novo canal BDSM no YouTube! 

por Heitor Werneck

Recebi hoje uma nota de imprensa da publicação do canal do Heitor Werneck no YouTube, e como gosto muito do trabalho dele e do Projeto Luxúria, cá está meu quinhão:

BDSM é um acrônimo para a expressão ‘Bondage, Disciplina, Dominação, Submissão, Sadismo e Masoquismo’; um grupo de padrões de comportamento sexual humano. Até pouco tempo, tais fetiches não eram debatidos abertamente. Com o surgimento do fenômeno ’50 Tons de Cinza’, o BDSM ganhou os holofotes.

projeto-luxuria-heitor-werneckNo entanto, a realidade do universo fetichista é bem diferente da ficção. Um dos precursores do movimento no Brasil é o estilista e produtor cultural Heitor Werneck, que há dez anos lançou o Projeto Luxúria, uma das noites fetichistas mais consagradas do país.

Em comemoração a uma década da festa, o Projeto Luxúria acaba de lançar seu próprio canal no YouTube, a fim de desmitificar o BDSM. Quinzenalmente serão publicados vídeos com entrevistas de personalidades do meio, com aproximadamente dez minutos de duração cada.

Além de assinar o roteiro e a direção, Heitor Werneck também conduz a conversa. A primeira entrevistada é Domme Hot Mahara, que fala sobre empoderamento feminino, as responsabilidades de um dominador, a relação entre dominador e submisso, violência contra a mulher e feminismo dentro do universo BDSM.
O próximo entrevistado será com Toshi, mestre de amarrações de shibari (técnica japonesa de Bondage).

O link do canal é: https://www.youtube.com/channel/UC_yNxRPENdbx0X0e8r2NARQ

Eu já havia falado desse vídeo em questão neste link: http://www.dominador.org/entrevista-bdsm-heitor-werneck-do-projeto-luxuria/

read more

Poesia BDSM – Intenções

Mais uma poesia BDSM que há tempos recebi

E venho compartilhar com vocês:

poesia-bdsm

“As intenções…
vão além do limite que imagina
Me faça me curvar…
e me ponha a mercê de seu domínio
Vendada e amarrada…
Me tome e me guie
sele minha alma
marque minha carne
enquanto bebe de meu gozo
Meu prazer esta em servir
suas vontades mais insanas.”

Lorien El @Direitos Autorais Reservados

read more

Entrevista BDSM – Heitor Werneck do Projeto Luxúria

Entrevista BDSM decente

Quem já leu algo dos meus posts, percebeu que eu sou crítico e desbocado. E valorizo muito as pessoas que tive a sorte de conhecer, que têm postura, caráter e espírito de colaboração.

Heitor Werneck é um desses caras… Ele produz o Projeto Luxúria, é conhecido no meio, mas acima de tudo, é uma pessoa que vale a pena sentar do lado e bater um papo, seja profundo ou superficial, sobre BDSM e pessoas. Sim, pessoas… Porque entender melhor o BDSM, depende absolutamente de seu olhar sobre as pessoas.

Abaixo o vídeo com duas partes da entrevista do TV Luxúria, que recomendo assistir. Este é com a Hot Mahara, uma Domme profissional.

Desfrute e compartilhe, e mais importante: Deixe sua opinião também!

 

read more